Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Como alcançar as metas de aleitamento materno propostas pela OMS

No Agosto Dourado, especialista aponta os empecilhos que ainda dificultam a amamentação, principalmente nos seis primeiros meses de vida

Por Mônica Vilela Carceles Fráguas, neonatologista*
21 ago 2022, 08h45

Os benefícios do leite materno são conhecidos. Mais: a cada dia novas descobertas são feitas em relação aos seus componentes, bem como suas funções contra infecções, prevenção de doenças crônicas, desenvolvimento neurológico, formação do sistema imunológico e muito mais. 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda o aleitamento materno exclusivo até os 6 meses de vida do bebê. Após esse período, deve-se fazer a introdução de outros alimentos, mantendo o aleitamento materno até os 2 anos de idade, ou mais. Estimativas mostram que, se essas recomendações fossem seguidas, mais de 800 mil mortes de crianças menores de 5 anos seriam evitadas no mundo por ano.

Compartilhe essa matéria via:

Apesar de tanto conhecimento, ainda se observam números baixos nas taxas de aleitamento materno. No Brasil, aproximadamente 45% dos bebês recebem leite materno exclusivo até os 6 meses de vida – esse número tem aumentado, mas ainda não alcançou o recomendado. A meta global, estabelecida pela OMS para até 2025, é elevar para mais de 50% essa taxa.

Muitos são os fatores que interferem na amamentação. Algumas mães realmente não podem amamentar por motivos médicos relacionados a elas ou aos bebês, mas esses casos são a minoria. 

Continua após a publicidade

Motivos socioeconômicos também levam ao desmame precoce: é o caso das trabalhadoras informais, que não têm direito à licença maternidade e creches, e acabam partindo para as fórmulas.

+Leia também: Amamentação: sangue, suor, lágrimas… e um bem insuperável

A propaganda, com frequência, distorce as características das fórmulas lácteas e tenta equipará-las ao leite humano. Isso faz com que muitas mães optem, sem indicação médica, pelo uso do leite artificial. Mas os benefícios do leite materno são incomparáveis. O leite humano contém vários componentes impossíveis de serem acrescentados à fórmula, como células vivas, anticorpos e até partículas de material genético.

A falta de informações corretas, tanto da população leiga quanto dos profissionais de saúde (que deveriam apoiar a amamentação), é alarmante. Muitas postagens em redes sociais ou blogs são incorretas, indicando procedimentos e até medicamentos que podem colocar em risco a amamentação e a saúde.

Continua após a publicidade

Existem medidas simples que melhoram – e muito – as taxas de aleitamento materno. O contato precoce do bebê com a mãe, logo após o nascimento, favorece a estabilização do recém-nascido e a amamentação. As mamadas em livre demanda e o posicionamento correto ao seio materno são também fundamentais. Muitas mães ainda acham que a dor e as fissuras nos mamilos são normais durante a amamentação – não são, e há estratégias adequadas para evitá-las. 

Durante o pré-natal é importante que a mãe procure ajuda de especialistas que deverão avaliar as mamas da gestante, verificar o histórico de saúde da paciente, orientar sobre a produção e a chegada do leite. A mãe pode, ainda, se informar sobre as diferentes posições para amamentar, a pega correta do bebê, o que esperar nos primeiros dias após o parto, além de aprender a extrair o leite, o que pode ser necessário em algumas situações. A rede de apoio, formada pela família, amigos e equipe de saúde tem um papel essencial tanto na gestação quanto após o nascimento. 

Se fosse dedicado mais tempo ao ensino da lactação e das técnicas de aleitamento nas faculdades de medicina e de enfermagem, seria possível atingir as metas desejadas pela OMS. Como consequência, teríamos uma grande melhora da saúde infantil e da população em geral.

*Mônica Vilela Carceles Fráguas é neonatologista e coordenadora do berçário setorial do Hospital e Maternidade Pro Matre Paulista e consultora de Lactação (IBCLC)

Continua após a publicidade
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.