Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Com a Palavra Por Blog Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde

Cinema: um olhar feminino sobre o cuidado amoroso na esclerose múltipla

Curta-metragem Esclerosada Não é a Vó traz uma perspectiva única sobre mulheres tocadas pela esclerose múltipla. Uma das diretoras revela sua história

Por Erenice de Oliveira, jornalista e diretora de Esclerosada Não é a Avó* 3 ago 2022, 10h19

Convido o leitor a acompanhar meu percurso dentro do projeto cinematográfico Esclerosada Não é a Vó apartir de uma reflexão. Qual o sentido de cuidar? No dicionário, é curar, doar, prevenir. Eu acrescentaria adaptar, pois são inúmeras as vezes que a vida requer ajustes para seguirmos com as atividades diárias. 

Historicamente, em várias civilizações, é feminina a tarefa de proteger. E, ainda hoje, são as mulheres as principais cuidadoras da família. Então, podemos adicionar ao conceito uma boa dose de amorosidade, um sentimento que impulsiona e contorna obstáculos.  

Em fase de pré-estreia, o documentário gaúcho teve suas filmagens em 2019, sob o argumento de contar a trajetória de quatro mulheres e suas relações com a esclerose múltipla (EM). Mas, poderia ser com qualquer outra doença crônica, porque a ideia é falar de mulheres, seus comportamentos e iniciativas. Assim, a construção da narrativa parte do momento em que as protagonistas decidem ir além do diagnóstico de uma doença neurológica e progressiva. 

Destaco que a EM atinge, especialmente, mulheres jovens e lembro que atrás de cada doença crônica há ao menos uma mulher na função de cuidar. É nesse aspecto que entra meu depoimento no filme, como familiar-cuidadora. 

Compartilhe essa matéria via:

Meu olhar se dá a partir do diagnóstico do meu marido, Luiz. Contrariando as estatísticas, ele apresentava a EM primária progressiva, um tipo mais raro e agressivo. Como esposa, precisei me alfabetizar rapidamente sobre esse universo, seus aspectos clínicos, emocionais e sociais. Aprendi a conviver com as peculiaridades de um tratamento com medicamentos de alto custo e com os diferentes caminhos da saúde pública. Ainda assim, constatei que, sem o Sistema Único de Saúde (SUS), as perspectivas seriam bem piores. 

Foi pelo cuidado que presenciei as mudanças nas relações interpessoais se somando às limitações que chegavam até o Luiz. Também vi o diagnóstico impondo a ele uma nova percepção de mundo, enquanto a família e os amigos se distanciavam. Tive de entender que, antes de erguer minha voz para defender os direitos dele, precisei tocar sua essência humana e, também, atingir o meu íntimo mais profundo. Essa descoberta me levou a entregar o meu melhor à nossa relação e, assim, conseguimos construir nosso amor. 

Ainda que, como jornalista e estudiosa da educação inclusiva, o mundo de incapacidades e deficiências não me fosse estranho, foi no cotidiano que aprendi a importância efetiva de conceitos como acessibilidade. E essa necessidade se impôs com pressa, pois a evolução da doença no Luiz exigiu a migração da bengala para o andador e, posteriormente, à cadeira de rodas. 

Continua após a publicidade

+Leia também: Brasileiros com esclerose múltipla precisam de novos tratamentos no SUS

Sobre aprender o uso desses dispositivos e a conviver com as discriminações sociais, que emergem diante de uma doença crônica, escreveria um artigo à parte. Assim, descobri que adaptar a vida havia sido libertador tanto para o Luiz quanto para mim. 

Tal liberdade ultrapassa rampas de acesso e barras de equilíbrio, passando pelas estruturas de mobilidade urbana. Mas, o que impacta mesmo são os comportamentos que travam a existência de quem não corresponde ao padrão físico e/ou cognitivo estabelecido por uma sociedade que sequer respeita faixas de pedestres no trânsito. E há muito mais. E aqui, uma vez mais, o amor é necessário – dessa vez, contra a invisibilidade, que é o que mais dói no paciente e em quem está ao seu lado. Assim foi com o Luiz, mesmo ele tendo colecionado admiradores e amigos ao longo de seus 45 anos e em sua carreira jornalística.

Essa perspectiva nos levou aos grupos de convivência, fundamentais no compartilhamento de saberes tanto entre pacientes quanto entre familiares. Nessa troca, chegamos à interseção entre mim e as demais protagonistas do filme. Pacientes de EM, Aline Souza, Bruna Rocha e Marcia Denardin me ensinaram a lidar com a multiplicidade da doença. Mas, essencialmente, elas me fizeram entender a necessidade da voz feminina num mundo que, todos os dias, agride mulheres pelos mais variados motivos. Mulheres com deficiência, então… Podemos definir este curta-metragem como um encontro de histórias de amor.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

A relação com a EM me fez perceber a imperfeição que é viver. Entendi que estar vivo tem mais a ver com fazer o possível do que com objetivos ideais. Como o Cinema, viver é uma arte coletiva. E é nessa coletividade que soltamos as dores e entendemos que a condição de diferença não deve retirar a dignidade e a cidadania de ninguém. Durante a produção do filme, o Luiz decidiu voar e acrescentou uma nova camada à narrativa. Aliás, falar sobre morrer também é um tema necessário. Cinéfilo que era, ele diria, com certeza, que a obra é imperdível. 

Esclerosada Não é a Vó reproduz afetos e ousa amplificar desejos e ecoar sonhos. Revela a sensibilidade de Luiz Alberto Cassol, documentarista que, generosamente, divide a direção comigo e Marcia, idealizadoras do projeto. Pontuam a história ainda os olhares da montadora Lisi Kieling e da coordenadora de acessibilidade Marilaine Castro da Costa. Este curta-metragem já nasce com recursos para todas as pessoas assistirem. E este é mais um cuidado, mais um gesto de amor.

*Erenice de Oliveira é jornalista, especialista em Cinema, estudiosa das condições de diferença visíveis ou não. Este documentário é sua primeira incursão na Sétima Arte. Nascida na zona rural de Porto Alegre, sua distração na infância já era ouvir e contar histórias. Elas poderiam vir do modesto aparelho de tv preto e branco da família ou da sua mente inquieta de pequena. Aos 53 anos, ela ainda conta histórias para sua criança interior dormir.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês