Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Check-up com Sidney Klajner

O cirurgião e presidente da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein levanta e debate as tendências e os desafios que interferem em nosso dia a dia e na saúde pública do país
Continua após publicidade

Parto vaginal: desmistificando tabus e medos

Com exceção das gestações de risco, o parto normal é a modalidade mais segura para a mãe e o bebê. E a dor, grande temor das mulheres, pode ser controlada

Por Sidney Klajner
31 jan 2022, 10h28

O Brasil é o vice-campeão mundial de cesarianas, com 55% dos partos realizados dessa forma. Fica atrás apenas da República Dominicana, com 58%. É um percentual bem maior que os 10% a 15% preconizados pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Em seus consultórios, ginecologistas e obstetras estão acostumados com a frase taxativa de algumas gestantes: “Eu quero cesárea”. E a explicação mais frequente para essa opção é o medo da dor do parto. No estudo “Nascer no Brasil”, feito pela Fiocruz em 2015, mais de 80% das mulheres apontaram essa razão para preferir a cesariana.

Além disso, há uma parcela de gestantes que acredita que o parto vaginal traz maior risco de sequelas para o bebê. Esses são alguns importantes fatores que aquecem o caldeirão cultural pró-cesariana com temores sem sentido e fake news.

Não se trata de desconsiderar a cesariana, um procedimento necessário quando há risco para a mãe ou para o bebê. Mas é só. Nos demais casos, que são a imensa maioria, o indicado é o parto vaginal mesmo.

Continua após a publicidade

É justamente esse o conceito do Parto Adequado, um programa liderado pelo Einstein em parceria com o Institute for Healthcare Improvement (IHI) e a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) que tem ajudado a diminuir o número de cesarianas desnecessárias nos hospitais participantes. Como o nome diz, trata-se de fazer o parto mais adequado para cada gestante.

+ Leia também: A importância da fisioterapia na gravidez e no próprio parto

Um dos problemas da cesariana eletiva é que o bebê pode não ter alcançado a maturidade pulmonar, com maior risco de desconforto respiratório ao nascer e até necessidade de cuidados em UTI neonatal.

Continua após a publicidade

A cesariana também aumenta em três vezes o risco de morte materna. Afinal, trata-se de uma cirurgia abdominal aberta, com mais chances de infecção, sangramento e tromboembolia. Mais: cesáreas vão deixando cicatrizes no útero que podem comprometer gestações futuras.

Um estudo realizado pelo Einstein abrangendo todos os partos realizados na nossa maternidade entre 2016 e 2019 mostrou que, em 6,7% das cesáreas, os bebês precisaram de internação na UTI Neonatal (contra 4,5% nos partos vaginais) e 0,8% das mães necessitaram cuidados intensivos em UTI (ante 0,3% nos partos vaginais).

Além disso, o índice de amamentação na primeira hora foi de 93% nos partos vaginais e de 88% nas cesarianas.

Continua após a publicidade

Pois bem, se o parto vaginal apresenta tantas vantagens, quer dizer que a mãe deve suportar a dor em nome de sua segurança e de seu bebê? A resposta é não. Existem vários recursos para controlar a dor.

Compartilhe essa matéria via:

Quando não é intensa, banho de chuveiro ou piscina morna, exercícios de movimentação do períneo, exercícios com bola ou agachamento com apoio de uma barra são alguns “truques” que funcionam.

Continua após a publicidade

Se o incômodo é maior, pode ser usado o óxido nitroso, um gás inócuo para mãe e bebê que alivia a dor e cuja inalação a própria mulher controla.

Por fim, se a dor é muito intensa, pode-se recorrer à anestesia peridural, que bloqueia as fibras nervosas, mas permite que a mãe sinta as contrações e mantenha a força dos movimentos.

Lógico que tudo isso depende de a maternidade ter estrutura adequada para atender o parto vaginal, com todos os recursos necessários e um modelo de assistência com enfermagem especializada e anestesista 24 horas.

Continua após a publicidade

A grávida tem o direito de escolher a modalidade de parto que prefere. Mas certamente fará uma melhor escolha se desfizer mitos e descartar informações falsas e infundadas.

A não ser em gestações de risco, o parto vaginal é o mais seguro e, como vimos, não faltam opções para espantar o temido fantasma da dor.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.