Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

ABC da Comida

Há um universo de frutas, hortaliças, grãos e PANCs a explorar. E a jornalista expert em alimentação Regina Célia Pereira nos convida a degustar um a um nessa coluna que é uma feira de saberes e sabores.
Continua após publicidade

Por mais cerejas em 2021

A fruta que encanta as ceias empresta sua beleza e doçura às receitas e concede uma porção de benefícios. Vale procurar e degustar o ano todo

Por Regina Célia Pereira
10 jan 2021, 10h24

A vida é como uma tigela de cerejas”. A expressão, que já foi popular nos Estados Unidos, servia para ilustrar situações leves e saborosas. Isso no comecinho do século passado. Com o passar do tempo, passou a ser usada com ironia, encaixando-se em contextos amargos. Tudo a ver com o ano que se foi e deixou um gosto tão ruim.

Longe desse enquadramento desagradável, o fruto destaca-se em qualquer mesa, especialmente em datas festivas, in natura ou em receitas. “Entre as frutas menores, a cereja, convidada de honra nos banquetes e piqueniques das imagens, é servida com vinho ou carnes, e mesmo peixe”, diz um trecho de História da Alimentação (clique para comprar), obra organizada pelos historiadores europeus Jean-Louis Flandrin e Massimo Montanari.

A aparência, de encher os olhos e a boca de água, resulta de um mix de fitoquímicos, sobretudo as afamadas antocianinas, que lhe conferem a coloração de um vermelho vivo ou mais escuro.

Além de embelezar, as tais substâncias blindam o alimento dos raios solares, das variações climáticas, entre outros fatores. Trazem também uma porção de benfeitorias aos consumidores. Graças a efeitos antioxidantes e anti-inflamatórios, não faltam comprovações científicas da sua atuação a favor da saúde do coração e do cérebro.

A cereja ainda guarda outras preciosidades, caso da quercertina e do ácido elágico, protetores das células em geral. E vitaminas C e do complexo B, além de minerais como o potássio, marcam presença na polpa.

Continua após a publicidade

Frutinhas pela história

A doçura e a riqueza nutricional da cereja teriam servido os soldados lá na Roma Antiga. Inclusive, historiadores atribuem tanto aos romanos quanto aos gregos a disseminação e o cultivo das cerejeiras no continente europeu.

A espécie, originária de uma área que abrange parte da Europa e da Ásia, foi batizada de Prunus avium, pode atingir 20 metros de altura e gosta mesmo é de clima mais frio – daí ser mais rara e cara no Brasil.

Em seu berço, a fruta é apreciada das mais diferentes formas, conforme a criatividade do cozinheiro. Na Idade Média, médicos recomendavam comer como entrada, justamente por ser leve e não atrapalhar a digestão.

Continua após a publicidade

Uma preparação nascida entre a Itália e os Balcãs, há alguns séculos, e que faz enorme sucesso, é a chamada cereja ao marasquino. Na versão tradicional, uma variedade conhecida como marasca é mergulhada em potes cheios de licor. A finalidade dos antigos era garantir que não faltasse em temporadas de escassez, como no inverno.

Outra velha receita, que remonta ao século 16, é um tipo de aguardente, o kirsch. Feito de cerejas bem maduras, surgiu na Europa Central, entre a Alemanha e a França. Continua embriagando muita gente até hoje.

Por aqui, como se sabe, um de seus papeis principais é como ornamento no topo dos bolos, na mais completa tradução de beleza. Mas não é preciso se contentar com um ou dois exemplares. Afinal, a música escolhida para esta coluna, composta em 1931, é “Life Is Just a Bowl of Cherries”, de Ray Henderson e Lew Brown.

Continua após a publicidade

E fica a nossa torcida, sem ironias, para que a vida seja realmente doce como uma tigela de cerejas em 2021.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.