Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês

Qual a relação entre hipertensão e diabetes?

As duas doenças se associam para prejudicar os vasos

Por Redação Saúde é Vital - Atualizado em 25 abr 2018, 19h28 - Publicado em 3 jul 2016, 10h00

A bem da verdade, até dá pra dizer que o diabetes colabora para a pressão alta se instaurar. A resistência à insulina, condição típica do diabético tipo 2, é uma falha no organismo que dificulta o acesso das células à glicose circulante. Aí um monte de açúcar fica sobrando no sangue. Esse fenômeno contribui para as artérias se enrijecerem, o que está por trás do aumento da pressão.

Tem outro mecanismo perigoso nessa história. Quando há glicose demais dando sopa, o pâncreas entende que precisa trabalhar dobrado para reduzir a presença dessas moléculas na circulação. Para isso, manda ver na produção de insulina. Essa carga pesada de hormônio desanda o trabalho do sistema nervoso simpático, destrambelhando batimentos cardíacos e estimulando a contração exagerada dos vasos. De novo a hipertensão sai ganhando.

Leia mais: Diabetes antecipa um infarto em 15 anos

Diante do maior risco de sofrer infarto ou AVC, os diabéticos são orientados a redobrar os cuidados com a pressão – é ainda mais importante que eles não ultrapassem os 14 por 9.

Continua após a publicidade

Para ajudar na tarefa, nutricionistas pedem atenção extra dessa turma, insistindo para economizar não só na ingestão de doce mas também na de sódio. Lembrando que o mineral está presente, por exemplo, em biscoitos recheados e no refrigerante zero. Ou seja, não dá para se fiar apenas no conselho de olhar a carga de açúcar ou carboidrato na embalagem.

Publicidade