Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Nova arma contra herpes labial

Quedas na imunidade permitem que o vírus de herpes provoque as feridas na boca. A boa notícia é que está chegando uma solução em cápsulas

Por Andressa Basilio (colaboradora) Atualizado em 16 jan 2018, 18h19 - Publicado em 8 dez 2015, 10h24

Começa com um formigamento, que logo vira coceira. Pouco tempos depois, vem a dor e, em seguida, eclodem as bolhas, que acabam se transformando em feridas. A turma que sofre com esse problema ficará feliz com o lançamento da primeira medicação capaz de impedir a recorrência desses ataques de herpes, que trazem dor e irritação na frente do espelho.

Recém-chegada ao Brasil, a novidade do laboratório Aché já é reconhecida lá fora como uma estratégia bem-sucedida para cortar as garras do vírus do herpes. Afinal, só dá pra conter a chateação boicotando o responsável por ela – o famigerado Herpes simplex vírus, ou HSV.

Existem duas variações dele, mas quem costuma infernizar a boca é o tipo 1. A ideia por trás da fórmula desenvolvida pelo Aché é cortar o combustível que faz o vírus pipocar. O princípio ativo é o cloridrato de lisina, que freia um estímulo à multiplicação do vírus dentro das células.

A tal da lisina é um aminoácido naturalmente obtido com a alimentação por meio do consumo de leite, carnes, feijão, legumes e frutas. “Só que o medicamento aumenta em 20 vezes a concentração da molécula no corpo”, estima o dermatologista Walmar Roncalli, do Hospital das Clínicas de São Paulo. “Graças a isso, o remédio se mostra eficiente tanto para encurtar o período de sintomas como para reduzir a ocorrência das crises”, completa o especialista, que é um dos responsáveis pelo estudo com o produto no Brasil.

Como funciona a nova medicação

1.    O remédio, à base de lisina, aumenta a concentração desse aminoácido no sangue – ela fica 20 vezes maior do que o obtido via alimentação.
2.    A vantagem de tanta lisina correndo solta é que ela vai anular o efeito de outro aminoácido, a arginina, que o vírus usa para se multiplicar.
3.    O monte de lisina vai até as células infectadas e, então, o herpes perde o estímulo para replicar e atacar novamente.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)