Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês

Inverno é a melhor época para realizar alguns tratamentos na pele

Peelings e procedimentos a laser devem ser feitos preferencialmente na época mais fria do ano

Por Maria Tereza Santos - Atualizado em 11 set 2019, 10h24 - Publicado em 18 jun 2018, 19h23

Quando falamos de cuidados com a pele no inverno, a necessidade de combater o ressecamento é a primeira coisa que vem à mente. Porém, essa estação não combina somente com o uso de produtos hidratantes. Trata-se da melhor época para investir em procedimentos estéticos, como peelings químicos, ultrassom microfocado, luz pulsada e tratamentos feitos com lasers, como depilação e remoção de tatuagem e olheiras.

“Quando fazemos esse tipo de procedimento, a pele é destruída como um todo e, por isso, fica muito sensível. Se proteger da exposição ao sol evita que ela manche durante o período de recuperação pós-procedimento”, explica a dermatologista Tatiana Gabbi, da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).

Como a incidência dos raios solares é menor no inverno, fica mais fácil seguir essa orientação. Além disso, apesar de a estação no Brasil não ser tão fria, a temperatura mais baixa pode tornar alguns procedimentos um pouco mais confortáveis para os pacientes.

Mas algumas técnicas realizadas com radiofrequência – como as que prometem combater celulite e flacidez – podem ser feitas em qualquer estação do ano.

Cuidados necessários

Ainda que a incidência da luz natural seja menor no inverno, não significa que você não deva prestar atenção em outros comportamentos. Cada técnica tem recomendações específicas após sua realização, mas, em todos os casos, a dermatologista aconselha usar sabonetes suaves, algum produto hidratante que tenha a proposta de cicatrizar a pele e, claro, o filtro solar.

“Uma outra coisa que ajuda na recuperação é aplicar compressas geladas e água termal logo depois do procedimento”, acrescenta Tatiana.

Continua após a publicidade
Publicidade