Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês

Focinho curto tira mesmo o fôlego

Cães e gatos com essa característica têm mais dificuldade para respirar. Mas algumas medidas ajudam a evitar que eles fiquem ofegantes ou sofram algo grave

Por Débora Fiorini (colaboradora) - Atualizado em 28 out 2016, 00h43 - Publicado em 20 jan 2016, 10h07

Talvez você nunca tenha ouvido falar em um animal braquicéfalo, mas certamente já viu um representante da classe. Sim, são aqueles com o focinho achatado. Como suas vias aéreas estão mais, digamos, comprimidas, eles tendem a perder o fôlego com facilidade e, em casos extremos, chegam até a desmaiar. “Uma das complicações a que estão suscetíveis é a síndrome respiratória obstrutiva braquicéfala, que leva à obstrução da passagem de ar”, relata a veterinária Nathalia Ferreira, do Pet Center Petz, em São Paulo. Aliás, pesquisadores da Royal Veterinary College, na Inglaterra, confirmaram que o risco da síndrome aumenta de acordo com o encurtamento do focinho. Por essas e outras, cães e gatos com tal característica exigem cuidados extras, especialmente no período do calor. Se o dono negligenciar isso, passeios e brincadeiras podem fazer o bicho sofrer.

O que ajuda um pet de focinho curto a inspirar e soltar o ar numa boa

Dieta regrada
A obesidade boicota ainda mais o fôlego. Então fique atento ao tamanho das porções e maneire nos petiscos.

Distância do calor
Bichos com focinho achatado sofrem mais em altas temperaturas. Em dias secos, umidificadores são bem-vindos.

Dá-lhe água fresca
Deixar uma tigela à disposição e renovar o potinho regularmente auxiliam a vencer o calor e a desidratação.

Passeio tem hora
Não vá sair pra caminhar com o animal no sol do meio-dia, né? Escolha horários com temperaturas amenas e respeite o ritmo do seu companheiro.

Pode ser caso de cirurgia
Há situações em que uma operação nas narinas ou no céu da boca é realmente a saída para devolver qualidade de vida.

Publicidade