Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Covid-19: estudo avalia filtragem de diferentes tipos de máscara

Máscaras são uma das formas mais eficazes de evitar o coronavírus. Pois uma pesquisa investigou o potencial de diferentes tipos (da PFF2/N95 às de pano)

Por Karina Toledo, da Agência Fapesp* Atualizado em 11 Maio 2021, 18h16 - Publicado em 4 Maio 2021, 12h25

A transmissão do coronavírus se dá principalmente pela inalação de gotículas de saliva e secreções respiratórias suspensas no ar. Daí porque usar máscaras e manter o distanciamento físico são as formas mais eficazes de prevenir a Covid-19, enquanto não há vacina para todos. Baratas, reutilizáveis e disponíveis em diversas cores e estampas, as máscaras de tecido estão entre as mais usadas pelos brasileiros. Contudo, sua capacidade de filtrar partículas de aerossol com tamanho equivalente ao do Sars-CoV-2 pode variar entre 15% e 70%, como revela estudo conduzido no Instituto de Física da Universidade de São Paulo (IF-USP).

Coordenado pelo professor Paulo Artaxo e apoiado pela Fapesp, o trabalho integra a iniciativa (respire!. Os resultados foram divulgados na revista Aerosol Science and Technology. “Avaliamos a filtração de 227 modelos vendidos no Brasil, seja em farmácia ou lojas de comércio popular. Nosso objetivo era saber em que medida a população está realmente protegida com essas diferentes máscaras”, conta Artaxo à Agência Fapesp.

Para fazer o teste, os cientistas utilizaram um equipamento que produz, a partir de uma solução de cloreto de sódio, partículas de aerossol de tamanho controlado – no caso 100 nanômetros (o SARS-CoV-2 tem aproximadamente 120 nanômetros). Após o jato de aerossol ser lançado no ar, a concentração de partículas foi medida antes e depois da máscara.

Os modelos que se mostraram mais eficazes no teste, como esperado, foram as máscaras cirúrgicas e as do tipo PFF2/N95 – ambas de uso profissional e certificada. Elas filtraram entre 90% e 98% das partículas de aerossol. Na sequência, estão as de TNT (feitas de polipropileno, um tipo de plástico) vendidas em farmácia, cuja eficiência variou de 80% a 90%.

Por último vieram as de tecido – grupo que inclui modelos feitos com algodão e com materiais sintéticos, como lycra e microfibra. Nesse caso, a eficiência de filtração variou entre 15% e 70%, com média de 40%. E alguns fatores se revelaram críticos para aumentar ou diminuir o grau de proteção.

Continua após a publicidade

“De modo geral, máscaras com costura no meio protegem menos, porque a máquina faz furos no tecido que aumentam a passagem de ar. Já a presença de um clipe nasal, que ajuda a fixar a máscara no rosto, aumenta consideravelmente a filtração, pelo melhor ajuste no rosto”, comenta Fernando Morais, doutorando no IF-USP e no Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen), que é o primeiro autor do artigo. “Mas em todos os casos, a eficiência diminui com as lavagens, porque há desgaste do material”, arremata.

  • O conforto na hora de respirar com máscaras

    Segundo Artaxo, as máscaras de algodão de duas camadas filtraram consideravelmente mais as partículas de aerossol que as feitas com apenas uma. Mas, a partir da terceira camada, a eficiência aumentou pouco, enquanto a respirabilidade diminuiu consideravelmente.

    “Uma das novidades do estudo foi avaliar a respirabilidade das máscaras, ou seja, a resistência do material à passagem de ar. As de TNT e de algodão foram as melhores nesse quesito. Já as do tipo PFF2/N95 não se mostraram tão confortáveis. Mas a pior foi uma feita com papel. Esse é um aspecto importante, porque se a pessoa não aguenta ficar nem cinco minutos com a máscara, não adianta nada”, afirma Artaxo.

    Como destacam os autores no artigo, embora com eficiência variável, todas as máscaras ajudam a reduzir a propagação do coronavírus e seu uso – associado ao distanciamento físico – é fundamental no controle da pandemia. Eles afirmam ainda que o ideal seria a produção em massa de máscaras do tipo PFF2/N95 para distribuir gratuitamente à população – algo que “deveria ser considerado em futuras pandemias”, na avaliação de Vanderley John, coordenador da iniciativa (respire! e coautor do estudo.

    “Hoje já está comprovado que a principal forma de contaminação é pelo ar. Usar máscaras o tempo inteiro é uma das melhores estratégias de prevenção, assim manter janelas e portas abertas para ventilar os ambientes o máximo possível”, recomenda Artaxo.

    *Este conteúdo é da Agência Fapesp.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade