Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês

Como cuidar da pele sensível

Muitas áreas do corpo podem apresentar alergias, manchas avermelhadas e outros sintomas de sensibilidade. Conheça as causas do problema e como tratá-lo

Por Abril Branded Content - Atualizado em 6 jul 2020, 13h04 - Publicado em 30 jun 2020, 10h38

Vermelhidão, coceira, ardência, sensação de repuxamento. Quem tem a pele sensível certamente já sofreu (ou sofre) com esses sintomas. Eles podem ser provocados por diferentes doenças: rosácea, dermatite de contato, dermatite seborreica e até fatores genéticos que fazem com que algumas pessoas tenham a pele mais fina (portanto, mais delicada).

Tudo aquilo que leva a uma inflamação da pele e acarreta avermelhamento, irritação ou descamação tem como manifestação uma alteração de sensibilidade”, define Cassio Marcelo Siqueira, dermatologista do Hospital São Luiz Anália Franco.

O problema pode aparecer em qualquer região do corpo, mas aquelas em que há dobras (como atrás dos joelhos e axilas) costumam ser mais suscetíveis. Áreas de atrito da pele (na virilha e entre as pernas, por exemplo) também sofrem mais, especialmente nos dias quentes, quando a transpiração aquece e umidifica a pele, intensificando o processo. Mas vale lembrar que, ao contrário do que muita gente pensa, o suor por si só não provoca alergias – até porque ele é composto por 95% de água –, apenas acentua uma irritação preexistente. 

Descobrir qual é esse fator que leva à sensibilidade, aliás, é um dos principais cuidados. Por isso, antes de investir em sabonetes para peles sensíveis e outros produtos do gênero, vale uma consulta ao dermatologista. No dia a dia, outra dica importante é dar preferência aos cosméticos hipoalergênicos, com pH fisiológico próximo ao da nossa pele (em torno de 5,5). 

Continua após a publicidade

Se você tem histórico de alergias e inflamações, evite produtos com perfumes e corantes, bem como temperaturas extremas – banhos muito quentes, por exemplo, são um perigo para peles sensíveis. Manter a hidratação em dia também conta pontos, já que o ressecamento da pele pode ocasionar (ou piorar) quadros de sensibilidade. 

Desodorante para pele sensível 

Mesmo tomando esses cuidados, muita gente sente coceira e desconforto nas axilas. Especialmente porque, como explicamos anteriormente, a área sofre com o atrito –  tanto com o das roupas como o da própria pele. Isso sem falar na fricção provocada por lâminas, ceras e outros métodos de depilação. Por isso, evite cremes depilatórios que contenham parabenos, fragrâncias e álcool, e nunca use lâminas muito gastas. Escolher tecidos de algodão e manter a área sempre limpa e seca também ajuda. 

“Normalmente, as patologias ligadas às axilas são dermatites de contato, alérgica ou irritativa, causadas por produtos químicos que provocam uma irritação localizada”, explica Siqueira. Outras doenças comuns na região, diz o médico, são as micoses, dermatite seborreica e infecções bacterianas. 

E os desodorantes? Entram na lista de produtos que podem irritar uma pele sensível, claro. Mas isso não significa que você precisa aboli-los de sua vida para sempre. Muito pelo contrário. Hoje há várias opções no mercado, voltadas especificamente para peles sensíveis, como desodorante sem álcool, parabenos, corantes, fragrâncias e outros componentes que podem irritar peles mais delicadas. E isso não significa menos proteção contra a transpiração, já que muitos desses produtos trazem na composição ativos antitranspirantes. 

Continua após a publicidade

Além da versão aerossol, é possível encontrá-los também em creme, o que geralmente significa maior hidratação. Isso porque eles costumam ser formulados com agentes emolientes, que conferem uma sensação de maciez. E, se tem uma coisa que a pele sensível merece, é um produto que a trate com delicadeza e suavidade.

Outros conteúdos em Segredo da Pele.

Publicidade