saudeLOGO Created with Sketch.

8 razões para consumir zinco

Seus benefícios despertam cada vez mais o interesse dos cientistas. Conheça os principais poderes do mineral para valorizá-lo também.

 

1. Prevenir Alzheimer

Uma boa parcela dos pacientes com essa doença tem baixos índices de zinco circulando pelo organismo. Para a nutricionista Nadir do Nascimento Nogueira, professora da Universidade Federal do Piauí (UFPI), faz sentido. “Esse mineral integra uma enzima chamada superóxido dismutase, que nos protege do estresse oxidativo”, explica. Quando ela não dá as caras, o cérebro fica bastante vulnerável à ação dos perigosos radicais livres, fator que pode aumentar o risco de Alzheimer. Mas não vá achando que a solução é abusar das cápsulas de zinco. Isso porque o acúmulo de minerais parece, na contramão, patrocinar a enfermidade que apaga as lembranças. Para o efeito protetor, priorize a dieta.

2. Espantar a depressão

De acordo com uma revisão indiana publicada recentemente na revista do Instituto de Tecnólogos da Alimentação, nos Estados Unidos, o nutriente melhora o quadro de depressão em mulheres jovens. “Ao que parece, ele facilita certas sinapses, que são os sinais trocados entre os neurônios”, descreve Nadir. Em última instância, isso afastaria os sintomas da melancolia intensa.

3. Beneficiar o sistema cardiovascular

No artigo, os experts relatam que a presença de zinco está ligada a um menor aperto nos vasos. “Ele ajuda a regular substâncias envolvidas no controle da pressão“, comenta a nutricionista Cristiane Cominetti, professora da Universidade Federal de Goiás (UFG). “Outra explicação plausível é que a falta do mineral pode alterar o paladar, o que levaria a um uso mais intenso de sal“, completa. E o exagero desse tempero fomenta a hipertensão. “O zinco também é essencial para a reparação de danos nos vasos causados pela oxidação do colesterol LDL”, acrescenta a nutricionista Silvia Cozzolino, presidente do Conselho Regional de Nutricionistas da 3ª Região – CRN-3 (São Paulo e Mato Grosso do Sul). Com isso, o risco de aterosclerose cai.

4. Combater o diabetes

O mineral que recheia a ostra tem ainda relação íntima com a estocagem e a liberação de insulina. “A carência de zinco acelera o processo de resistência a esse hormônio, deixando-nos mais propensos ao diabetes”, afirma a nutricionista Carla Cristina de Morais, da UFG. Fora que a suplementação de zinco já provou exercer impacto positivo no controle da retinopatia diabética – quando o portador da doença tem a sua visão ameaçada. Mas, de novo, não se apresse na busca por comprimidos cheios do mineral. “O uso de suplementos é muito controverso, já que altas doses podem piorar o metabolismo da glicose”, afirma a especialista. Melhor esperar outros achados e, enquanto isso, caprichar na alimentação.

5. Melhorar a cicatrização

Quem tem encontro agendado com o bisturi deve prestar atenção na quantidade de fontes de zinco que põe no prato. “A deficiência dele prejudica a reparação do tecido cortado”, avisa André Mattos, cirurgião plástico, do Rio de Janeiro. É que o zinco participa da fabricação de colagenase, enzima responsável por produzir colágeno – uma espécie de cimento da pele. Não à toa, pomadas para cicatrização são feitas com essa substância.

6. Aumentar a imunidade

“O zinco é o micronutriente com maior efeito sobre o sistema imunológico“, crava a nutricionista Lúcia Dantas Leite, professora da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Na revisão indiana, é mencionado um trabalho que evidencia, em idosos, a associação entre a carência do mineral e a queda na atividade da glândula timo. É nesse órgão, localizado no meio do peito, que ocorre a maturação dos linfócitos T. “E eles são importantes células de defesa”, traduz Lúcia. Logo, assegurar a prontidão dessas células levanta a barreira contra uma infinidade de encrencas.

7. Proteger contra pneumonia

Está aí uma das doenças que o zinco, por dar força ao sistema imune, combate. Inclusive, pesquisas já estabeleceram o elo entre o nutriente e a menor duração de uma pneumonia severa. Em crianças com esse problema pulmonar, cientistas perceberam que 20 miligramas do mineral por dia não só aceleravam a recuperação como barravam uma possível resistência a antibióticos, já que diminuíam a exposição a esses medicamentos.

8. Gravidez

O zinco é tão crucial nessa fase que a recomendação de ingestão sobe – passa de 8 para 11 miligramas por dia. “O déficit materno da substância pode causar infecções intrauterinas, atrapalhar o desenvolvimento fetal e contribuir para o baixo peso do bebê ao nascer”, justifica Lúcia. Em um estudo, a nutricionista Nadir, da UFPI, também notou que o zinco auxiliaria a segurar a criança dentro da barriga até a 40ª semana de gestação, quando seu corpo já está prontinho para encarar o mundo.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s