Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

7 medidas antes de jogar Pokémon Go (sim, até SAÚDE entrou nessa)

A SAÚDE adverte: caçar pokémons com o celular vicia —leia nosso mini-manual ANTES de baixar Pokémon Go

Por Theo Ruprecht Atualizado em 16 dez 2016, 16h28 - Publicado em 20 jul 2016, 10h48

O jogo Pokémon Go, que já virou febre mundial, acabou de desembarcar no Brasil. E quem diria que esse game de realidade virtual pode interferir na sua saúde?! Meio em tom de brincadeira (e meio em tom de verdade), resolvemos listar pontos importantes para ficar de olho antes você de sair à caça dos pokémons. Divirta-se!

Leia também: Pokémon não fez seus usuários andarem mais

Faça como o Ash e use boné (e óculos de sol e protetor)

Difícil ver o jovem protagonista da série Pokémon, que tomou conta das televisões na década de 1990, sem seu boné vermelho e branco. Se como ele você pretende sair ao ar livre para aumentar sua coleção de monstros, melhor proteger a cabeça e, em especial, aplicar protetor solar. Afinal, a grande sacada do novo jogo é que você realmente vai ter que levantar do sofá para encontrar os pokémons — seja indo ao parque seja visitando uma praça… E, claro, ninguém quer, após uma jornada dessas, ficar todo vermelho, dolorido e descascando.

Não dirija e jogue

Pensa que é exagero?! Pois nos Estados Unidos policiais já atenderam a um chamado de um motorista que bateu no poste por estar procurando pokémons atrás do volante. O game é viciante — não o subestime! 😉

Aproveite para caminhar — mas olhe ao atravessar a rua!

Atenção, sedentário: você talvez tenha finalmente encontrado a motivação para desligar a TV e fazer exercício. Até porque ninguém se tornará um verdadeiro mestre Pokémon deitado na cama — os bichinhos estão espalhados pela cidade e não dentro do seu quarto. Só tenha atenção para, de repente, não se ver no meio de uma rua movimentada ou sentado na calçada após trombar com outro treinador.

Continua após a publicidade

Visite os parques e marcos de sua cidade

Se o Pokémon Go seguir a tendência de outros países, vai concentrar a presença dos monstros virtuais e a dos ginásios (locais em que você pode por seus pokémons para lutar com o de outros treinadores) em parques, praças e centros turísticos da sua cidade. É uma boa oportunidade para conhecer melhor o lugar onde você vive e aumentar o número de passadas diárias.

Conheça outros treinadores (virtuais e reais) 

A interatividade do jogo promete: dá pra caçar pokémons em conjunto, disputar batalhas em ginásios com outras pessoas… E aqui você com certeza já viu notícias sobre os benefícios da interação social. Só não vá brigar com o amigo porque ele pegou um Pokémon antes de você. Finja que nem ligou, dê um sorriso e, na próxima, dê o troco.

Leia também: Alguns personagens dos quadrinhos deveriam buscar ajuda médica

Volte ao mundo real de vez em quando

A dependência virtual já é considerada uma doença — e seus monstrinhos precisam de um tempo livre para eles. Para evitar olho seco, dor de cabeça, irritação ou falta crônica de bateria de celular, lembre-se da principal mensagem do Arquivo-X, outra série que marcou época na década de 1990: a verdade está lá fora.

O jogo é virtual, mas o treinador é de verdade

É só pra você não esquecer que precisa comer! Embora os pokémons não engordem, esquecer das refeições e, aí, ter que apelar para lanches nada saudáveis, certamente fará de você um treinador com menos preparo físico para cumprir seus objetivos. O mesmo vale para o sono, a higiene bucal e por aí vai.

Continua após a publicidade
Publicidade