Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Castanha de baru: sua aliada na redução do colesterol

Esse fruto do cerrado já mostrou que é excelente em termos de proteção cardiovascular. Saiba mais sobre o baru e seus diversos benefícios

Por Luiza Monteiro
Atualizado em 28 mar 2018, 16h35 - Publicado em 25 ago 2014, 22h00

Há um membro da família das oleaginosas que, apesar ser típico do nosso território, ainda é pouco conhecido por aqui. Estamos falando da castanha de baru, um tipo de amêndoa bastante comum em regiões como Goiás, norte de Minas Gerais, Mato Grosso e parte do Maranhão. Assim como nozes, pistache e amendoim, o fruto do barueiro também oferece muitos benefícios, principalmente quando se trata do coração.

A constatação vem de um trabalho conduzido por uma equipe de nutricionistas da Universidade Federal de Goiás, que será publicado no periódico Nutrition, Metabolism and Cardiovascular Diseases. No estudo, as pesquisadoras avaliaram 20 pessoas que apresentavam taxas moderadas de colesterol e deram a uma parte delas uma porção diária de 20 gramas de amêndoa de baru, o equivalente a 14 unidades.

A outra turma não ingeriu o alimento. Ao final da investigação, aqueles que comeram o legume brasileiro tiveram uma redução de 8% nas concentrações de colesterol total e de 9% nos níveis de partículas LDL, que ameaçam as artérias. “Entre os nutrientes envolvidos nessa diminuição, destacam-se os ácidos graxos insaturados, popularmente conhecidos como gorduras boas“, conta Ana Paula.

O que mais a castanha de baru tem de bom?

Embora o benefício ao coração chame a atenção, há outros motivos para incluir a amêndoa de baru no cardápio. Isso porque o alimento esbanja nutrientes com propriedades antioxidantes, a exemplo de vitamina E e zinco. “Estudos demonstram que essas substâncias podem minimizar o risco de outras doenças além das cardiovasculares, como Alzheimer, diabetes, obesidade e câncer“, revela a nutricionista.

Continua após a publicidade

Como consumir

O ideal é comer o baru torrado, já que, assim, é possível inativar os chamados fatores antinutricionais, que podem interferir na absorção de minerais como cálcio e zinco. Se quiser, está liberado adicionar a castanha a preparações como bolos e saladas. Mas lembre-se: os benefícios apenas serão obtidos se a amêndoa de baru fizer parte de uma alimentação equilibrada, rica em frutas, verduras e legumes e com baixo consumo de itens cheios de açúcar, gorduras saturadas e sódio, por exemplo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.