Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês

Um terço dos epilépticos não usa remédios regularmente

Sem uma adesão correta, o risco de a doença sair do controle sobe bastante

Por Thiago Nepomuceno - Atualizado em 27 mar 2017, 10h29 - Publicado em 4 ago 2016, 16h46

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 50 milhões de pessoas no mundo têm epilepsia. E um time de pesquisadores alemães chama a atenção para o fato de que provavelmente boa parte dessa turma não está cuidando direito da doença. O alerta foi soado depois de eles analisarem dados de 31 317 portadores do problema.

Aí, notaram que quase um terço não tomava os medicamentos na frequência que deveria. Segundo o trabalho, os remédios mais modernos apareceram com uma taxa de aceitação maior — sinal de que são mais bem tolerados.

Leia também: 7 passos para socorrer pessoas com uma crise epiléptica

A epilepsia é uma doença neurológica caracterizada por eventuais descargas elétricas no cérebro que geram as crises. Elas podem acontecer a qualquer hora, provocando perda de consciência e movimentos involuntários. Esses sintomas acabam constrangendo seus portadores — o que inclusive prejudicaria a adesão ao tratamento. Vale ressaltar que, com o uso correto da medicação, uma  parcela significativa dos indivíduos pode levar uma vida normal.

Publicidade