saudeLOGO Created with Sketch.

Os três fatos do ano no universo das doenças infecciosas

O infectologista Celso Granato elege os principais acontecimentos de 2016 no campo dos vírus e das bactérias. Do aparecimento do zika à volta da sífilis

Por Dr. Celso Granato*

1) O zika vírus

É impossível rever o ano e imaginar que as doenças transmitidas por mosquitos não foram o grande destaque. Embora já em 2015 o tema ocupasse bastante espaço na mídia, foi durante 2016 que um grande volume de descobertas ocorreu, particularmente em relação à infecção pelo zika.

Mais de mil trabalhos foram publicados sobre esse o assunto, ante cerca de 120 nos 65 anos anteriores. Os maiores avanços foram no sentido de esclarecer os mecanismos pelos quais o vírus causa a microcefalia, a frequência com que isso ocorre e a relevância da época da gravidez em que ocorreu a infecção materna.

Leia também: No que consiste a síndrome do zika?

Outro aspecto importante estudado foi a questão da longevidade da excreção do vírus no sêmen, mostrando que todo o cuidado deve ser tomado para que não ocorra a transmissão para uma gestante por seis meses após a infecção do parceiro.

 

2) A infecção pelo chikungunya

Quando todos estávamos mais ocupados lidando com o zika e lembrávamos do chikungunya apenas como um problema menor causado por um vírus de nome exótico, eis que esse último resolve nos mostrar o contrário. Mais de 200 mil pessoas foram infectadas no Brasil, número idêntico ao observado no restante da América do Sul.

Isso nos revelou que essa doença é mais do que um exotismo. As mortes associadas a ela chegaram à casa das centenas e o grau de acometimento crônico dos pacientes, assustador, beirou índices de 40 e 50 %. Não há tratamento efetivo contra essa fase da doença e os progressos na área de vacinas ainda são pífios. Muitos estudos, poucos avanços práticos.

Leia também: Casos de chikungunya devem aumentar em 2017

3) A retomada da sífilis

Outro tema muito importante e que, talvez, ainda não tenha atingido de forma impactante a população em geral, embora já preocupe demais a classe médica. Falo dos novos casos de uma doença sexualmente transmitida, a sífilis, que é causada por uma bactéria.

Leia também: Número de DSTs não para de crescer

Por razões ainda não totalmente compreendidas, essa moléstia que se encontrava relativamente esquecida nos anos 1990 e início do século 21, voltou a acometer com força todas as faixas sexualmente ativas da sociedade, bem como todos os níveis socioeconômicos. O percentual de mulheres em que se tem identificado exames pré-natais positivos para sífilis é assustador e isso fica ainda mais alarmante pelo fato de a doença ser tratável de forma relativamente simples e barata.

Basta que se faça uma avaliação periodicamente em todas as oportunidades em que isso for possível, tais como no pré-natal, no checkup ou mesmo em uma consulta por outra causa. Essa é uma medida crucial para evitar, entre outras complicações, a sífilis congênita nos bebês.

Leia também: Os destaques de 2016 para a saúde do coração

* Dr. Celso Granato é infectologista, professor da Universidade Federal de São Paulo e membro do corpo clínico do Fleury Medicina e Saúde

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s