Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Nova tecnologia para flagrar depressa a retinopatia diabética

Criado no Brasil, o programa tem 98% de precisão e ajuda a identificar esse problema, que pode levar à cegueira

Por Ana Luísa Moraes Atualizado em 10 jul 2017, 16h59 - Publicado em 20 fev 2017, 16h48

Atualmente, a melhor forma de detectar a retinopatia diabética é com um retinógrafo, um aparelho que tira fotos do fundo do olho. Na verdade, quem diagnostica mesmo é o médico — a máquina só faz as imagens que, posteriormente, são apresentadas ao especialista. Mas esse processo está prestes a se tornar mais simples, graças a pesquisas do Instituto de Computação da Universidade Estadual de Campinas, a Unicamp.

Os cientistas criaram um software capaz de fazer uma espécie de triagem nos olhos. O próprio programa, usando inteligência artificial, identifica se o paciente está ou não com a retina um pouco danificada. “Ele consegue apontar o tipo de lesão e inferir se a pessoa tem um risco aumentado de retinopatia e se precisa consultar um oftalmologista”, explica Anderson Rocha, professor da Unicamp envolvido no projeto e membro do Instituto de Engenheiros Eletricistas e Eletrônicos (IEEE). “Com isso, o médico foca nos casos que merecem atenção imediata”, completa.

A “inteligência” do equipamento foi desenvolvida com base em mais de 5 mil fotos de olhos de diabéticos ou não — os experts marcavam as que pertenciam a pacientes saudáveis. “A partir disso, começamos a desenvolver o algoritmo de aprendizado da máquina, de modo que ela pudesse progredir a partir desses exemplos”, esclarece Rocha.

A retinopatia está presente na vida de 75% dos sujeitos que têm diabetes há mais de 20 anos. Ela ocorre quando o excesso de glicose no sangue danifica e fragiliza os vasos sanguíneos oculares. Isso ocasiona pequenas hemorragias e infiltrações de gordura na retina. Caso não seja tratada, pode levar à perda parcial ou total da visão.

 Na prática

Rocha esclarece que a ideia é associar o software ao retinógrafo para que se torne portátil. No futuro, talvez dê para acoplar o equipamento no smartphone.

Segundo o professor, os primeiros passos para que isso aconteça já foram dados. Ele ainda ressalta: “Essa tecnologia tem uma grande importância social, já que analisa uma enorme quantidade de fotos em um curto espaço de tempo. Existem milhares de pessoas tentando fazer o exame todos os anos e não há médicos suficientes para isso”, finaliza.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês