Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Exames menos dolorosos e mais precisos contra o câncer de mama

Chega ao Brasil uma dupla de aparelhos que promete aprimorar o rastreamento contra um dos tumores mais frequentes entre as mulheres

Por Vand Vieira
Atualizado em 2 out 2017, 10h41 - Publicado em 16 Maio 2017, 13h05

Atuante no segmento de mamografia desde o início dos anos 1990, a GE Healthcare, gigante da área de soluções médicas, acaba de lançar dois equipamentos no Brasil. Eles foram desenvolvidos para evitar que o medo, o desconforto e a necessidade de refazer exames por causa da má qualidade da imagem gerada continuem incentivando mulheres a adiarem consultas relacionadas à detecção do câncer de mama.

O primeiro, batizado de Senographe Pristina, permite que a paciente controle, por meio de um dispositivo remoto, a intensidade da compressão no seio, já previamente posicionado por um profissional. Mas isso não poderia prejudicar a qualidade da imagem? Um teste realizado no Centre de Sénologie et d’Echographie, na França, sugere que, com esse aparelho, as mulheres tendem a imprimir uma força até 25% maior do que a necessária para flagrar nódulos pequenos, que passam despercebidos no autoexame.

Segundo o levantamento, a técnica ainda culminou em menor exposição à radiação. Ainda assim, cabe reforçar a importância de respeitar os pedidos do técnico, porque um mínimo de pressão é necessário para que qualquer mamografia disponível no momento seja satisfatória.

Continua após a publicidade

“80% das usuárias classificaram o Senographe Pristina como mais agradável do que o exame tradicional”, conta Luiz Verzegnassi, diretor Brasil da GE Healthcare, de São Paulo.

A segunda novidade atende pelo nome de Invenia ABUS. Trata-se, em suma, de uma ultrassonografia automatizada especializada em mamas. Complementar à mamografia, é indicada especialmente para mulheres cujos seios são classificados como densos, por terem mais tecido mamário do que gordura.

“Nesses casos, a visualização de nódulos na mamografia é prejudicada e o risco de desenvolver o problema é de quatro a cinco vezes maior”, ressalta Silvia Sabino, coordenadora médica do Núcleo de Aperfeiçoamento em Mamografia do Hospital do Câncer de Barretos (SP). Daí a importância de uma tecnologia específica.

Ambos os equipamentos já estão sendo comercializados para clínicas particulares brasileiras, mas não há previsão para a chegada à rede pública de saúde. E que fique claro: as técnicas mais acessíveis já são adequadas para detectar o câncer de mama. Uma das maiores barreiras no diagnóstico precoce no nosso país, hoje, é a não realização de exames preventivos, conforme a orientação dos profissionais.

Quer receber uma dose semanal de SAÚDE no seu e-mail? Então assine nossa newsletter — é grátis e fácil. Basta clicar aqui.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.