Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Enfermeiros ganham mais protagonismo no novo ecossistema da saúde

Evento reúne autoridades, professores e profissionais premiados para trazer panorama sobre o papel da enfermagem na era da saúde digital

Por Da Redação
Atualizado em 23 nov 2022, 13h59 - Publicado em 23 nov 2022, 13h13

“Os serviços de saúde digital se tornaram uma ferramenta de ampliação do acesso e autonomia, integrando enfermeiros e pacientes de forma inédita, diminuindo distâncias e desperdícios, melhorando os desfechos clínicos e assegurando a sustentabilidade da jornada”.

Foi assim que Luciana Hataiama, head de enfermagem da Vibe Saúde, resumiu a sinergia entre a tecnologia e os profissionais da área e a transformação no jeito de cuidar das pessoas em um evento concebido pela healthtech brasileira para debater e prestigiar esse novo momento na história da enfermagem e da assistência médica no país.

O encontro reuniu autoridades, professores, gestores e enfermeiros, com destaque para a Rainha Silvia da Suécia, que esteve em São Paulo para falar da causa e do prêmio internacional que leva seu nome, destinado a profissionais de enfermagem. A distinção, idealizada pela Swedish Care International e organizada pela Vibe no Brasil, está em sua segunda edição e irá reconhecer, neste ano, iniciativas de sucesso dentro do Sistema Único de Saúde (SUS).

Um dos motes do evento foi mostrar o papel cada vez mais protagonista de enfermeiras e enfermeiros no desenvolvimento, na implementação e na rotina das linhas de cuidado, especialmente num modelo de atendimento híbrido ou virtual e conectado a outros profissionais da saúde, como médicos e psicólogos.

O CEO da Vibe Saúde, Ian Bonde, pontuou que a pandemia de Covid-19 foi um divisor de águas para esse movimento. “O cuidado digital, que inclui a telemedicina e a teleterapia, não é novidade em países desenvolvidos como a Suécia, onde esses serviços começaram a ganhar força ainda em 2016. No Brasil, a pandemia foi o principal fator para regulamentar e impulsionar o crescimento do setor”, contextualizou.

E ele citou números que justificam essa ascensão: “Se olharmos para 2019, menos de 1 milhão de consultas foram feitas por meio de plataformas digitais. Até o final de 2021, esse número havia aumentado para 7,5 milhões. E deverá chegar a mais de 35 milhões no final de 2022”.

Continua após a publicidade

+ LEIA TAMBÉM: SUS, orgulho e desafio do Brasil

A tendência recebeu a adesão dos profissionais e do público e mobilizou setor público e privado, grandes hospitais e convênios e, sobretudo, as startups. Em 2021, já eram mais de mil healthtechs oferecendo algum tipo de serviço no ecossistema da saúde brasileira, destacou Bonde.

Especialistas veem dois valores na criação e no aperfeiçoamento dos protocolos de atendimento virtual (ou híbrido): a ampliação do acesso a orientação, consultas e exames e o melhor acompanhamento na jornada de prevenção, diagnóstico e tratamento.

“Em 2020, chegamos a quase 250 mil usuários dos nossos serviços. E, no final de 2021, atingimos quase 1 milhão, sendo que 50% das consultas são voltadas à saúde mental. Hoje são mais de 1,5 milhão de brasileiros atendidos”, contou o líder da Vibe.

As healthtechs buscam ocupar uma antiga lacuna no sistema de saúde brasileiro: a desassistência de 160 milhões de cidadãos que dependem exclusivamente do SUS e não podem pagar por um convênio. Ainda que a rede pública seja vital para dar suporte a essas pessoas, não há como negar suas dificuldades, como falta de recursos. De acordo com Bonde, a Vibe e outras empresas do segmento procuram justamente oferecer consultas a preços acessíveis por meio de serviços digitais.

Nesse modelo, ganha proeminência a figura do enfermeiro como um tutor ou navegador na jornada de cuidados. Ele acompanha o paciente, com o apoio de médicos e outros profissionais, para garantir uma assistência personalizada, efetiva e desburocratizada. “Cerca de 80% dos casos que recebemos são resolvidos no pronto-atendimento digital da Vibe”, exemplificou Luciana. “E 97% dos pacientes saem dos nossos atendimentos satisfeitos”.

Continua após a publicidade
foto das autoridades e participantes do evento
Luciana Hataiama (head de enfermagem da Vibe Saúde), Ian Bonde (CEO da healthtech), a Rainha Silvia da Suécia, Lu Alckmin (nova segunda-dama do Brasil), Peter Johansson (vice-cônsul da Suécia), Ana Paula Mattar (head de marketing da Vibe) e Cintia Sulzer (COO da startup). (Foto: Marie Louise Civita/Divulgação)

+ LEIA TAMBÉM: Sete enfermeiros com ideias transformadoras pelo mundo

Fã e idealizadora de uma causa

O evento contou com a participação especial (e presencial) da Rainha Silvia da Suécia. De ascendência brasileira, a monarca instituiu, junto às organizações que encabeça, uma premiação para enfermeiros de diversos países e ações projetadas para melhorar a assistência e a qualidade de vida de pessoas com demência.

“Perder um ente querido para a demência é difícil. É doloroso. Mas minha família, diante desse triste diagnóstico para minha mãe e depois para o meu querido irmão, teve a sorte de ter o apoio de enfermeiros maravilhosos, que nos mostraram um caminho mais sereno. Sou eternamente grata à profissão de enfermagem. Com seu conhecimento, criatividade e paixão, eles nos ajudam a seguir em frente”, declarou.

A VEJA SAÚDE Sua Majestade relatou as iniciativas de conscientização da sociedade e capacitação de profissionais (não apenas da área da saúde) para apoiar pacientes com demência e seus familiares na Suécia. “O mundo ainda não compreendeu que se trata de uma doença”, disse. “As demências representam um grande desafio para os sistemas de saúde”, ressaltou.

A Rainha acredita que enfermeiros e assistentes de enfermagem são atores fundamentais nessa e em outras jornadas de cuidado. E, como demonstram os próprios trabalhos vencedores do Prêmio de Enfermagem Rainha Silvia da Suécia, a inovação tecnológica também é muito bem-vinda.

“Há coisas muito interessantes sendo feitas. Profissionais desenvolveram um cinto com um air-bag que é acionado quando o idoso cai, evitando uma fratura no quadril”, dá um exemplo de inovação a monarca. Nos projetos laureados na última edição da premiação, destacam-se plataformas de assistência remota, programas baseados em realidade virtual e até redes sociais focadas em serviços e atividades para idosos.

Continua após a publicidade

+ LEIA TAMBÉM: 2ª edição do Prêmio de Enfermagem Rainha Silvia da Suécia tem foco no SUS

Inovação em todos os sentidos

Convidada a compartilhar uma iniciativa de sucesso comandada por enfermeiros, a professora Ana Paula Guarnieri, da Faculdade de Medicina do ABC, trouxe a história e os resultados do Projeto Bem Viver, idealizado por ela depois de diagnosticar, em 2002, a expressiva demanda por cuidados dos idosos de baixo poder aquisitivo e escolaridade com doenças crônicas e ocupacionais da cidade de Santo André, na Grande São Paulo.

“Implantamos o projeto na região periférica do município buscando otimizar os recursos existentes na comunidade e chegamos a ter uma média de 1 100 idosos cadastrados. A partir daí, construímos uma rede de autogestão, valorizando talentos entre os idosos, reavivando a cidadania e o pertencimento desse público na construção da comunidade. O sonho se disseminou e a ideia vingou e prosperou pela cidade inteira”, recordou.

Após a pandemia, com novos desafios e realidades emergentes, esse e outros projetos da mesma envergadura já estão estudando ou ganhando uma extensão digital. E é sob essa perspectiva que o Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo, representado no evento por sua vice-presidente, Erica Chagas, vê com bons olhos a expansão da atuação do enfermeiro num mundo em que o presencial e o virtual devem conviver cada vez mais. 

foto dos participantes
A Rainha Silvia com os enfermeiros que foram destaque na primeira edição do prêmio no Brasil, incluindo o vencedor, Jean Singh (de preto). (Foto: Marie Louise Civita/Divulgação)

Fechando o ciclo de palestras, o enfermeiro Jean Singh, grande vencedor do primeiro Prêmio de Enfermagem Rainha Silvia da Suécia no Brasil, sublinhou a importância de os profissionais da área buscarem a inovação e entenderem que esse conceito não se resume apenas à tecnologia. “Três pilares são essenciais para nós, enfermeiros: comunicação, empatia e resolução de problemas”, disse.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR
Continua após a publicidade

“Esta premiação deixou em evidência a importância de empreender e transformar e, ao olharmos para as equipes de enfermagem brasileiras, enxergamos diversos exemplos de atividades empreendedoras e inovadoras”, afirmou Singh, que, em sua fala, relembrou a trajetória de ícones desse setor no país, como Anna Nery e Wanda Horta. 

Hoje no Inova-HC, vinculado à Faculdade de Medicina da USP, o enfermeiro premiado também defendeu que “a classe seja mais valorizada no Brasil”, pois é o “alicerce” do sistema de saúde.

“Há pouco mais de um ano firmamos o compromisso de ser o organizador oficial no Brasil do Prêmio de Enfermagem Rainha Silvia da Suécia e pudemos adentrar mais profundamente o universo da enfermagem para celebrar seus profissionais e promover mais qualidade de vida e longevidade aos pacientes”, destacou Ana Paula Mattar, head de marketing da Vibe Saúde.

E foi esse clima de reconhecimento e propostas para o futuro que deu a tônica ao encontro, que também contou com os outros enfermeiros finalistas do Prêmio Rainha Silvia da Suécia 2021 e autoridades como a nova segunda-dama, Lu Alckmin, e o vice-cônsul da Suécia, Peter Johansson.

Compartilhe essa matéria via:

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.