Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Escalada: já pensou em fazer o novo esporte olímpico?

A modalidade estreia nas Olimpíadas de Tóquio e conquista novos adeptos pelo Brasil e o mundo. É hora de conhecê-la melhor — e os seus benefícios

Por Diogo Sponchiato Atualizado em 5 ago 2021, 10h23 - Publicado em 3 ago 2021, 12h25

Não há melhor vitrine para um esporte do que os Jogos Olímpicos. E é de esperar que a escalada, uma modalidade que se inspirou no montanhismo e se baseia em galgar paredes verticais, vá se popularizar ainda mais após seu début oficial no Japão.

É um incentivo e tanto para uma prática que já vem tendo maior procura nas grandes cidades brasileiras, de acordo com Raphael Nishimura, presidente da Associação Brasileira de Escalada Esportiva (ABEE). E olha que a atividade é bem democrática.

“Não há contraindicações nem limite de idade se o praticante estiver saudável e sem lesões. E podemos adaptar o nível ao seu condicionamento”, diz Nishimura. “Os paraescaladores são exemplos de que mesmo deficiências não são fatores limitantes”, completa.

Segundo o dirigente da ABEE, a escalada trabalha força muscular, flexibilidade e cognição, e o ideal é que sejam feitas de duas a três aulas por semana.

As disputas olímpicas

Os atletas participam de três provas

Velocidade: Eles devem escalar uma parede vertical numa rota definida. Vence quem chegar primeiro.

Boulder: Aqui a ideia é percorrer trajetos fixos numa parede de 4 metros em um tempo estipulado.

Continua após a publicidade

Guiada: Os competidores buscam subir o mais alto possível num paredão dentro de um limite de tempo.

+ LEIA TAMBÉM: A saída de Simone Biles das Olimpíadas e a saúde mental no esporte

Os bônus para o corpo

Prática da escalada demanda dos pés à cabeça

Força: Os membros superiores são os mais trabalhados, além das costas e de todo o abdômen. As pernas são recrutadas para impulsionar o praticante.

Flexibilidade: É altamente exigida para que o atleta se movimente de um ponto a outro. Pernas e quadris ágeis e flexíveis são resultado de anos subindo as paredes.

Cognição: Raphael Nishimura compara a escalada a um quebra-cabeça. O cérebro precisa decifrar as melhores vias e os passos seguintes para superar as provas.

Continua após a publicidade

Publicidade