Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês

Cirurgia bariátrica pede exercício físico

Investir na atividade física após a operação de redução do estômago potencializa a perda de peso e minimiza reações adversas

Por Theo Ruprecht - Atualizado em 22 nov 2019, 18h06 - Publicado em 8 fev 2018, 09h48

A cirurgia bariátrica não é uma solução mágica contra a obesidade. E, segundo um estudo ainda em andamento na Universidade de São Paulo (USP), ela nem vale tanto a pena se não vier acompanhada de exercícios físicos.

Até agora, os cientistas angariaram dados como gordura corporal, massa muscular e densidade óssea de quase 40 mulheres que passaram pela operação de redução de estômago. “Só que, três meses após a operação, submetemos metade a exercícios regulares”, relata o educador físico Hamilton Roschel.

Em seis meses de treino, notou-se que essa turma enxugou bem mais a barriga. Além disso, praticamente recuperou a força muscular perdida depois de entrar na faca, enquanto as sedentárias definharam pra valer. “A cirurgia pode ajudar, mas não livra as pessoas das mudanças de hábito”, conclui Roschel.

Veja outros motivos que mostram como a atividade física é fundamental para quem se submete a esse procedimento:

Continua após a publicidade

As artérias ganham

A operação aprimorou a capacidade de os vasos dilatarem, o que afastaria a hipertensão. Mas tal melhoria foi se esvaindo entre quem não malhou.

O diabetes perde

Embora a resistência à insulina – situação que deixa glicose sobrando no sangue e é o primeiro passo para o diabetes – tenha sido atenuada com a cirurgia, manteve-se mais controlada no grupo ativo.

Publicidade