Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Casar aumenta as chances de sobreviver a um infarto

Compartilhar o colchão com alguém também é melhor para o diabetes e a pressão alta — fatores de risco para problemas cardíacos

Por Bruno Vaiano, de Superinteressante Atualizado em 14 fev 2020, 18h24 - Publicado em 2 set 2017, 11h30

O amor faz seu coração bater mais rápido. Mas faz algo ainda mais importante: mantém ele batendo por mais tempo. Uma pesquisa com 925 mil adultos revelou que pessoas casadas têm 14% mais chances de sobreviver a um infarto do miocárdio. As vantagens terapêuticas da aliança não param por aí: a vida conjugal também aumenta suas chances de escapar com vida de problemas de saúde decorrentes do diabetes (14%), da pressão alta (10%) e do colesterol alto (16%). Os dados foram coletados dos prontuários de pacientes que deram entrada em hospitais da Inglaterra entre 2000 e 2013.

“O casamento oferece apoio físico e emocional de várias formas. Encoraja os pacientes a viverem estilos de vida mais saudáveis, os ajuda a lidar com o problema de saúde e faz com que eles sigam o tratamento corretamente”, afirmou em comunicado Paul Carter, médico responsável pelo estudo. Os resultados foram apresentados em um congresso da Sociedade Europeia de Cardiologia (ECS) na última segunda (29), em Barcelona, na Espanha.

A proteção conferida pela vida a dois é uma velha conhecida da medicina – afinal, é sempre bom ter alguém de olho em você –, mas é a primeira vez que um estudo com quase um milhão de participantes dá apoio numérico para a afirmação. O estudo também foi pioneiro em analisar a influência do casamento em três variáveis (colesterol, pressão e diabetes) que são fatores de risco para o infarto – e confirmar que todas elas, separadamente, também se beneficiam da presença de um mozão.

Como já era de se esperar, divórcios derrubam as taxas de sobrevivência de quem já tem pressão alta; Carter e seus colegas reforçam que quando não está tudo bem na relação, não adianta se iludir pensando que está tudo bem com o coração.

Quanto aos solteiros, bem… O jeito é ficar de olho em si próprio. Mesmo antes de o problema aparecer. “É importante que pacientes com fatores de risco perigosos e evitáveis sigam um estilo de vida saudável e sigam as prescrições médicas”, afirmou o médico. “Nosso estudo é de especial importância para quem convive com um alto risco de doenças cardiovasculares e não apresenta sintomas.”

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês