Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Tragédia no Sul: inundações viram problema de saúde pública

Cheias atingiram principalmente o estado do Rio Grande do Sul, deixando estragos assombrosos

Por Lucas Rocha
22 jun 2024, 07h00

Todo filme de catástrofe começa basicamente da mesma forma: cientistas alertam sobre os riscos de um grande problema e são sumariamente ignorados pelos governantes, até que as previsões se concretizem e seja tarde demais.

Com as mudanças climáticas não é lá muito diferente na realidade.

Há décadas, pesquisadores que monitoram os impactos da ação humana sobre o planeta têm sido enfáticos ao advertir sobre os riscos aos quais estamos todos vulneráveis se não houver uma mudança significativa de postura no cuidado com o clima e o meio ambiente.

Dados da Organização Meteorológica Mundial (OMM) revelam que temperatura média global anual esteve 1,45°C acima dos níveis pré-industriais em 2023. O que significa que o planeta se aproxima cada vez mais dos limites estabelecidos no Acordo de Paris.

Apesar dos esforços, o mundo continua em um trilho perigoso e as consequências já são perceptíveis.

Continua após a publicidade

“Toda mudança de temperatura global reflete em um efeito cascata de eventos extremos. Evidências científicas apontam que eles vão acontecer muito mais frequentemente e de maneira intensa”, diz a doutora em meteorologia Marina Hirota, professora da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

+ Leia também: Mudanças climáticas: assunto de saúde pública

saude-ecossistema-enchentes-rio-grande-do-sul-estragos
Clique para ampliar (Ilustração: Editoria de Arte/Veja Saúde)

No Brasil, o alvo da vez foi o Rio Grande do Sul, que protagonizou cheias sem precedentes. Os números da tragédia impressionam pela magnitude — mais de meio milhão de cidadãos ficaram desabrigados em algum momento.

Continua após a publicidade

Por outro lado, correntes de solidariedade se espalharam pelo país em apoio às vítimas.

“Governos, empresas e sociedade civil precisam pensar no longo prazo e buscar consensos. Os municípios têm de se preparar já para esses eventos extremos, com suporte dos governos estaduais e federal”, defende o geógrafo e doutor em geociências Christovam Barcellos, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Clique aqui para entrar em nosso canal no WhatsApp

Apoio in loco

Ao longo do mês de maio, o Hospital Israelita Albert Einstein, de São Paulo, contribuiu com três carregamentos de doações ao estado. Mais de 4 toneladas de equipamentos e insumos hospitalares foram enviadas à região, incluindo materiais e medicamentos necessários para a continuidade e ampliação da capacidade e complexidade dos atendimentos em saúde.

Continua após a publicidade

Além das doações, 57 profissionais, em três diferentes equipes, se deslocaram para apoiar na assistência à saúde em uma unidade básica de Canoas, funcionando em caráter de pronto-atendimento.

“Após uma inundação, alguns impactos podem ocorrer de forma imediata para a população afetada, incluindo afogamentos e traumatismos, principalmente para aqueles que tentam atravessar áreas inundadas”, pontua o médico Fábio Racy, especialista em medicina de desastres, que liderou o grupo em Canoas.

“Temos também as doenças infecciosas porque, devido à contaminação da água, as enchentes podem levar a surtos. A leptospirose, transmitida pela urina dos ratos e outros animais. Gastroenterites, causadas pela ingestão de água e alimentos contaminados, levando a diarreia e vômitos. Doenças de veiculação hídrica, como hepatite A, febre tifoide e cólera”, acrescenta Racy.

As equipes eram compostas por cirurgião-geral, clínico-geral, emergencista, ortopedista, pediatra, enfermeiros, técnicos de enfermagem, técnicos administrativos, farmacêutico, biomédicos, psicólogo, assistente social, fisioterapeuta e responsável pela logística e segurança. Ao todo, o grupo realizou quase 2 mil atendimentos, em 26 dias, retornando a São Paulo na sexta-feira, 20.

Continua após a publicidade

+ Leia também: Mudanças climáticas fazem o preço dos alimentos disparar

saude-ecossistema-enchentes-rio-grande-do-sul-doencas
Clique para ampliar (Ilustração: Editoria de Arte/Veja Saúde)

O trauma da catástrofe

Tragédias também podem deixar feridas no estado mental das vítimas. O psicólogo e professor da Universidade Federal Fluminense (UFF) Maycon Torres explica que o espectro de repercussões é amplo e se divide nas imediatas e prolongadas.

“Algumas pessoas podem apresentar sofrimento mais intenso, que inclui desde um quadro de ansiedade severo até a apresentação de transtorno de estresse agudo, que acontece de três dias a um mês depois do incidente, ou mesmo o transtorno do estresse pós-traumático, que se manifesta além de um mês”, detalha.

Continua após a publicidade

Segundo Torres, o acolhimento das vítimas exige o apoio de psicólogos, assistentes sociais e agentes da Defesa Civil.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.