Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Guenta, Coração

Por Blog Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Médicos, nutricionistas e outros profissionais da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (Socesp) explicam as novas (e clássicas) medidas para resguardar o peito
Continua após publicidade

Pesquisa mostra que pessoas desconhecem fatores de risco cardíaco

Deveríamos amar um pouco mais nosso próprio coração, defende médica

Por Maria Cristina Izar, cardiologista*
29 jun 2024, 07h00

Uma pesquisa da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (Socesp) traz dados alarmantes sobre o desconhecimento da população em relação aos fatores de risco para o coração.

Apenas 8% mencionaram que o diabetes sem controle pode fazer mal ao “amigo do peito”; 11% citaram o colesterol elevado; outros 11% a obesidade e também a hipertensão; 12% apontaram a falta de atividade física e 13% a alimentação não saudável como condições que podem levar a um infarto ou um acidente vascular cerebral, por exemplo.

Nenhum fator de risco chegou nem nos 15%, o que preocupou demais os cardiologistas e professionais de saúde, como nutricionistas, educadores físicos, fisioterapeutas, enfermeiros, farmacologistas, psicólogos, dentistas e assistentes sociais, que trabalham conosco para ampliar a conscientização sobre as doenças cardiovasculares.

O levantamento foi feito com 2.764 entrevistados na capital paulista e em cidades do interior de São Paulo.

Clique aqui para entrar em nosso canal no WhatsApp

Cerca de 30% das mortes no país são causadas por essas condições, levando a cerca de 400 mil óbitos todos os anos e boa parte delas, uma vez instaladas, não têm cura, apenas podem ser controladas com tratamentos, que incluem medicamentos e mudança no estilo de vida.

Continua após a publicidade

No recente 44º Congresso da Socesp, que terminou em 1º de junho, debatemos intensamente estratégias para ampliar o conhecimento e permitir que as pessoas possam atuar mais e melhor na prevenção dos fatores de risco modificáveis.

O que podemos (e o que não podemos) mudar para proteger o coração

Os fatore de risco modificáveis são amplamente conhecidos pela ciência, como estresse excessivo, sedentarismo, tabagismo, obesidade, colesterol elevado, diabetes e hipertensão sem controle e, mais recentemente, a qualidade do sono, que foi incluída nas diretrizes de cardiologia.

Ao contrário das doenças cardíacas, algumas destas condições são reversíveis para a maioria das pessoas.

+ Leia tambémDormir bem entra na lista das oito medidas para um coração saudável

Outros fatores não podem ser modificados, mas também agem contra a saúde cardiovascular. São eles:

Continua após a publicidade
  • Envelhecimento;
  • Gênero: homens têm mais predisposição e mulheres maior possibilidade de doenças do coração depois da menopausa;
  • Histórico familiar;
  • Etnia: pessoas negras têm risco aumentado de doenças cardíaca;
  • Genética: por condições como a hipercolesterolemia familiar, que pode provocar infartos muito precoces;
  • Condições específicas de saúde pré-existentes, como doenças cardiovasculares anteriores e doenças autoimunes.

A medicina tem avançado a passos rápidos e muito pode ser feito para atuar nos fatores modificáveis e atenuar os não modificáveis. O caminho para reverter fatalidades de origem cardiovascular é justamente eliminar ou controlar esses fatores, que, por si só, já comprometem a qualidade de vida.

No Dia Estadual do Coração, 29 de junho, que foi instituído pela Assembleia Legislativa de São Paulo por ser a data de fundação da Socesp, lembramos que a fórmula para evitar ou postergar as doenças do coração e viver mais é simples e conhecida:

  • Controlar o diabetes, a hipertensão e o colesterol elevado;
  • Para evitar essa tríade, praticar atividade física com muita regularidade, no mínimo cinco vezes por semana e 30 minutos/dia;
  • Ter uma alimentação saudável com base em frutas, verduras e legumes, evitando comida industrializada e fast food, desembalando menos e descascando mais;
  • Cuidar do peso, evitando o sobrepeso e a obesidade;
  • Deixar o tabaco, para aqueles que fumam;
  • Cuidar do sono, procurando ajuda se estiver tendo problemas ao dormir;
  • Manejar o estresse, talvez com atividades relacionadas a espiritualidade, que vai além da religiosidade.
  • Como no título do livro do poeta Carlos Drummond de Andrade, “Amar se Aprende Amando”, ame o seu coração.

Seguindo por esses caminhos você irá tratar bem dele, com amor.

* Maria Cristina Izar é cardiologista, presidente da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo – Socesp (biênio 2024/2025) e professora adjunta livre docente da Disciplina de Cardiologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.