Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
O Futuro do Diabetes Por Blog Carlos Eduardo Barra Couri é endocrinologista e pesquisador da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP), além de autor do livro O Futuro do Diabete (Ed. Abril). Aqui ele mapeia os cuidados e os avanços para o controle do problema

Seu filho teve Covid-19? Fique atento à glicose e aos sintomas de diabetes

Estudo mostra que crianças e adolescentes contaminados pelo coronavírus têm maior risco de desenvolver diabetes

Por Carlos Eduardo Barra Couri 3 mar 2022, 17h03

Ao longo dos mais de dois anos de pandemia, há evidências científicas mais do que suficientes de que o diabetes é um fator de pior prognóstico em indivíduos contaminados pelo coronavírus. Em resumo: uma pessoa com diabetes tem maior risco de enfrentar as formas graves da Covid-19.

Pois um estudo publicado em janeiro de 2022, a partir de duas grandes bases de dados norte-americanas, avaliou o caminho inverso, ou seja: o impacto da pandemia de Covid-19 no número de novos casos de diabetes.

Na primeira base de dados, chamada de IQVIA database, foram avaliados mais de 81 mil casos de Covid-19 de março de 2020 a fevereiro de 2021. As crianças contaminadas pelo Sars-CoV-2 apresentaram um risco 166% maior de desenvolver diabetes em comparação com quem não teve contato com o vírus.

De forma interessante, os pesquisadores ainda compararam o risco de diabetes entre crianças que tiveram quadro de síndromes respiratória agudas antes da pandemia versus crianças que encararam a Covid-19. E pasmem: ainda assim o risco de diabetes foi 116% maior naqueles que positivaram para o coronavírus.

+ Leia também: Vacinas para a Covid podem piorar a glicose de quem tem diabetes?

Em outra grande base de dados chamada Health Verity, a probabilidade de meninos e meninas infectados pelo Sars-CoV-2 serem depois diagnosticados com diabetes foi 31% maior do que naquelas crianças que não tiveram Covid-19.

Continua após a publicidade

Em ambas as bases de pesquisa, o risco de diabetes apareceu aumentado em todas as faixas etárias até os 18 anos – idade limite do estudo.

O que não se sabe, porém, é o mecanismo pelo qual a Covid eleva a probabilidade de alguém desenvolver diabetes. Assume-se que, em crianças, a grande parte dos diagnósticos desses estudos foi de diabetes tipo 1, que tem causa autoimune e é o tipo mais comum na infância e adolescência.

Compartilhe essa matéria via:

Algumas hipóteses recaem sobre fatores como destruição das células produtoras de insulina (localizadas no pâncreas), inflamação generalizada induzida pela Covid-19, uso de corticóides na internação e o gatilho para a autoimunidade – isto é, o vírus estimula o próprio sistema imunológico do paciente a destruir o pâncreas.

Pesquisas já estão sendo conduzidas para explicar esse elo e, em breve, teremos maiores certezas. Mas, de qualquer maneira, o melhor é ajudar nossas crianças e nossos adolescentes a se prevenirem contra a Covid-19, com uso correto de máscaras, higienização das mãos, distância de aglomerações e vacinação naqueles com idade igual ou superior a 5 anos.

Agora, se o menino ou a menina já pegou Covid-19, devemos ficar atentos ao risco de diabetes, fazendo exames periódicos de glicose e observando possíveis sintomas da doença, como emagrecimento, exagero no consumo de água, urina em excesso, turvação visual e maior sensação de fome.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês