Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Com a Palavra Por Blog Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde

O que aprendemos com a Covid-19 e como será o amanhã?

Após praticamente dois anos de pandemia, professor reflete sobre as lições da crise sanitária e seus reflexos sobre a ciência e a saúde pública

Por Euclides Matheucci Jr., especialista em biotecnologia* 26 jan 2022, 10h42

Por toda minha vida profissional, me perguntei como seria viver um fato histórico disruptivo. Eis que, em março de 2020, quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou a Covid-19 como uma pandemia, estávamos diante de um deles.

Ainda não tínhamos ideia do que aconteceria, muitos nem acreditavam que o problema durasse muito tempo, mas a realidade é que, quase dois anos depois da confirmação do primeiro caso no Brasil, ainda enfrentamos e nos recuperamos de uma das piores crises sanitárias de todos os tempos, que levou a vida de mais de 620 mil brasileiros.

A pandemia representa um marco terrível para a história da humanidade, ao mesmo tempo em que precipitou mudanças de comportamento e no mercado.

Não bastassem os impactos na área da saúde, os efeitos negativos se estendem à economia: um dos grandes reflexos foi o aumento do desemprego. Segundo o IBGE, a taxa de desemprego no Brasil é de 12,6%, ou 13,5 milhões de cidadãos.

+ LEIA TAMBÉM: Tire 7 dúvidas sobre isolamento e testagem por Covid-19

Fora isso, a pandemia afetou aspectos socioeconômicos globais, produzindo recessão e dificultando acesso à alimentação, à educação e aos cuidados com a saúde, principalmente em países marcados por desigualdade social, como o nosso.

Em nenhuma das crises sanitárias do século 21 o número de mortes foi tão alto ou exigiu do Estado a injeção de recursos financeiros em escala tão elevada.

Por tudo isso, a pandemia do coronavírus ensinou a necessidade de construirmos uma agenda de saúde pública com uma perspectiva integral e integrada, que reconheça a interdependência que existe entre as dimensões sanitária, social, econômica e ambiental.

Se o controle da Covid-19 tivesse sido mais rígido no Brasil desde o início, com o isolamento social e a criação de auxílio para as famílias mais pobres, não teríamos encarado um cenário de lotação de UTIs, ausência de insumos básicos e carências diversas para a população, sendo emblemático o que foi presenciado em Manaus com a falta de oxigênio em hospitais.

Felizmente, mas sem esquecer dos que se foram, o cenário foi mudando com o avanço da vacinação, e os sistemas de saúde conseguiram se desafogar.

Mas outra preocupação aparece em nosso horizonte como consequência da pandemia. A brecha que se abriu com a falta de acompanhamento médico de outras doenças devido à necessidade de isolamento social e lotação de hospitais dedicados à Covid-19 repercute na falta de diagnóstico e tratamento médico, inclusive para problemas como o câncer.

Compartilhe essa matéria via:
Continua após a publicidade

De acordo com um estudo da Universidade de São Paulo (USP) coordenado pelo professor Nivaldo Alonso, cerca de 1 milhão de procedimentos cirúrgicos foram desmarcados ou adiados. Com a menor atenção e procura para a detecção e o tratamento de outras enfermidades recorrentes, as chances de cura podem ser menores.

Esse é certamente um dos principais desafios para o setor médico público e privado, ainda mais num contexto de nova alta nos casos de Covid-19.

A solução passa por acelerar a digitalização dos sistemas de saúde, ampliar o acesso às teleconsultas e estimular a procura do sistema de saúde, seguindo os protocolos de segurança, na presença de sintomas suspeitos.

Com tantos efeitos negativos trazidos pela pandemia, o questionamento que fica é o que conseguimos aprender com ela. Talvez a primeira das lições foi valorizar a ciência e as instituições de pesquisa e o sistema de saúde pública.

A segunda, e não menos importante, foi valorizar as relações humanas, o afeto e o cuidado com o próximo. Também aprendemos a melhorar nossos hábitos de higiene e nos adaptamos a um novo formato de vida, em que boa parte das atividades pode ser feita à distância.

+ LEIA TAMBÉM: A variante Ômicron pode representar o fim da pandemia?

Ainda nos perguntamos quando a pandemia vai acabar ou se isso pode acontecer um dia, mas as respostas divergem mesmo entre a comunidade científica.

Encontrar maneiras de desacelerar a propagação de uma doença e controlar os seus efeitos é o caminho mais seguro. A testagem e a vacinação em massa fazem toda a diferença nesse sentido. E isso vale para todo o mundo.

Muito provavelmente, nossa sociedade conviverá com o coronavírus por anos, como ocorre com a gripe, o que exigirá atenção frequente, medidas de higiene e proteção e doses de reforço das vacinas.

Para evitar novas epidemias, a estratégia mais efetiva é a vigilância, ou seja, monitorar zoonoses e infecções emergentes. Existem locais mais propícios para o aparecimento de patógenos que conseguem passar de animais para seres humanos, como regiões que não possuem saneamento básico e acesso à educação sanitária e que praticam o abate e comércio de animais sem os devidos cuidados. Eles devem ser encarados como pontos de atenção!

Além disso, é necessário reforçar o papel de bem público das vacinas existentes, instituindo mecanismos de financiamento e campanhas de saúde pública que possam informar a população sobre os imunizantes e eventuais novas doenças. Esse é o legado mínimo da Covid-19.

* Euclides Matheucci Jr. é professor e orientador no Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia da Universidade Federal de São Carlos (UFScar) e cofundador e diretor científico da empresa de biotecnologia DNA Consult

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês