Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Com a Palavra Por Blog Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde

Flurona, não! Melhor falar em infecções respiratórias simultâneas

E quando uma pessoa pega o vírus da gripe e o da Covid-19 ao mesmo tempo? Infectologista explica o que acontece e como identificar os intrusos

Por Alberto Chebabo, infectologista* 8 fev 2022, 10h14

Agências de saúde de todo o mundo, incluindo o Brasil, começaram o ano de 2022 anunciando o diagnóstico de infecções respiratórias por dois vírus: o Sars-CoV-2, responsável pela Covid-19, e o H3N2, um tipo de influenza por trás da popular gripe.

Logo surgiu um termo, “flurona”, junção de flu (gripe em inglês) e “rona”, referência ao coronavírus, para os casos em que a pessoa pegava os dois patógenos.

Mas já há um consenso na comunidade médica de que essa palavra só aumenta a confusão da população no entendimento das infecções respiratórias.

Embora compreensível, “flurona” pode transmitir a ideia de uma nova doença, que na verdade não existe. O que estamos vendo são casos de coinfecção – termo mais preciso para esse cenário.

+ Leia também: Tire 7 dúvidas sobre isolamento e testagem por Covid-19

Infecções respiratórias simultâneas por patógenos distintos, ao mesmo tempo, não são raras na prática clínica e não causam, necessariamente, quadros mais graves.

No caso da coinfecção por Covid-19 e influenza, não existem, por ora, indícios de que a presença de ambos conduza a prognósticos piores ou necessidade de hospitalização, por exemplo.

Enquanto os mecanismos de diagnóstico avançam, o sistema imunológico do paciente também se aprimora. Há casos de infecção por dois ou três vírus diferentes, mas apenas um em atividade, enquanto os outros não provocam problemas agudos.

Continua após a publicidade

A esses casos denominamos codetecção, ou seja, conseguimos identificar o material genético de um dos vírus (Sars-CoV-2 ou influenza, por exemplo) e, antes de o paciente se recuperar da infecção pelo primeiro, detectamos material residual de um segundo ou terceiro patógeno. É uma situação particularmente mais comum em contextos de surto e pandemia.

O exame clínico, embora importante, não é suficiente para diferenciar os agentes virais em atividade. Tanto na gripe como na Covid-19 os sintomas são similares: febre, dor no corpo, mal-estar geral, dor de garganta…

+ Leia também: Febre: o que é, causas, tratamentos e quando se preocupar

Mas a medicina diagnóstica já tem disponível para a população exames de painel viral, que permitem diagnosticar entre diferentes tipos de vírus qual está envolvido no quadro. Eles rastreiam o Sars-CoV-2, os influenza A e B e o vírus sincicial respiratório.

Nas circunstâncias em que vivemos, o monitoramento desses agentes gera informações essenciais para a tomada de decisão diante da pandemia. Só não muda as condutas de prevenção e tratamento: as medidas não farmacológicas e a vacinação seguem indispensáveis.

Vale reforçar: vacinas em dia, tanto para gripe como para Covid-19, uso da máscara, higiene das mãos e distanciamento social continuando sendo as principais formas de se proteger de ambas as infecções. Sigamos juntos que vai passar.

* Alberto Chebabo é infectologista da Dasa e presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês