Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Com a Palavra Por Blog Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde

Enxaqueca frequente derruba o rendimento no trabalho

Pesquisa comprova que as dores de cabeça prejudicam até a tomada de decisão. Tratamento pode envolver de medicamentos a cirurgia

Por Paolo Rubez, cirurgião* Atualizado em 7 abr 2022, 15h58 - Publicado em 7 abr 2022, 15h56

A cabeça latejando por horas é apenas um dos sintomas das crises de enxaqueca, um tipo de dor de cabeça que ainda é caracterizado por um desconforto intenso em um ou nos dois lados do crânio, náusea e sensibilidade à luz e ao som.

Uma crise de enxaqueca pode durar de quatro a 72 horas, com dores que chegam a transcorrer uma semana. Agora, pela primeira vez, um estudo mostrou especificamente as repercussões do problema na nossa capacidade de trabalho.

A pesquisa da Universidade de Copenhague, na Dinamarca, envolveu 5 mil pessoas e concluiu que a enxaqueca frequente reduz os rendimentos e resultados em três situações:

  • Memória
  • Tomada de decisão rápida
  • Trabalho físico mais árduo

Esses efeitos negativos foram notados tanto no grupo de pacientes que não usavam analgésicos quanto naqueles que tomavam esses remédios diariamente.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

Cabe pontuar que a doença é a principal causa de deficiência funcional na população com menos de 50 anos. As dores crônicas afetam a qualidade de vida e a produtividade e levam a mais licenças médicas.

Continua após a publicidade

O tratamento da enxaqueca pode envolver diversas classes de medicamentos, procedimentos como aplicação de toxina botulínica e cirurgias específicas. Sobre esse último recurso, diversos estudos dão respaldo à cirurgia: quando não cessa a dor em definitivo, ela ajuda a reduzir a intensidade do incômodo e o uso de remédios.

Compartilhe essa matéria via:

A cirurgia da enxaqueca, definida como descompressão dos nervos periféricos, consiste numa “desativação” nos locais de gatilho da dor. Trata-se de uma estratégia relativamente nova, mas respaldada pela ciência e indicada a pacientes com enxaquecas resistentes.

Um estudo da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, publicado no ano passado, corrobora que o procedimento, que deve ser feito por cirurgiões habilitados, melhora as crises e diminui a dependência de medicamentos analgésicos. Mais uma arma no arsenal contra a doença.

* Paolo Rubez é cirurgião plástico, mestre pela Unifesp e membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)