Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Com a Palavra Por Blog Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde

Doenças inflamatórias intestinais: quanto antes se descobre, melhor!

Maio Roxo, o mês de conscientização sobre a doença de Crohn e a retocolite ulcerativa, traz alerta sobre detecção e tratamento precoce dessas condições

Por Paulo Gustavo Kotze, coloproctologista* 6 Maio 2022, 09h27

As doenças inflamatórias intestinais (DII), constituídas pela doença de Crohn e a retocolite ulcerativa, são distúrbios autoimunes que afetam os intestinos grosso e delgado, podendo causar sintomas tanto ali como fora do trato gastrointestinal.

A doença de Crohn pode atingir qualquer parte do tubo digestivo, desde a boca até o ânus, e tem a característica de inflamar todas as camadas desses órgãos. Já a retocolite ulcerativa acomete somente a mucosa (a parte interna) do intestino grosso, em variáveis extensões.

Entre os principais sintomas dessas condição estão dor abdominal, diarreia e sangramento pelas fezes, além de perda de peso e dificuldade de crescimento nas crianças e adolescentes.

Suas manifestações são muito similares às de outras doenças digestivas comuns, como gastrite, síndrome do intestino irritável e infecções gastrointestinais. As DII ocorrem principalmente em adultos jovens, entre 15 e 45 anos de idade, mas podem aparecer em outras faixas etárias.

+ LEIA TAMBÉM: Como a internet influencia o tratamento das doenças intestinais 

Apesar de terem causa desconhecida, tanto a doença de Crohn quanto a retocolite ulcerativa são mais diagnosticadas em países desenvolvidos. São doenças, digamos, “modernas”, ligadas a um padrão alimentar mais industrializado, estresse crônico e outras situações que podem funcionar como gatilhos diante de uma predisposição genética.

O Maio Roxo é a campanha anual que vem alertar a população em geral e a própria classe médica sobre as doenças inflamatórias intestinais, que, aliás, vêm aumentando em incidência e prevalência mundialmente.

No Brasil, a prevalência cumulativa chegou a 100 casos para cada 100 mil habitantes no sistema público em 2020, segundo dados do DataSUS. Sim, é um problema mais comum do que parece à primeira vista.

Continua após a publicidade

Um dos objetivos dessa iniciativa, realizada pela Sociedade Brasileira de Coloproctologia (SBCP), é contribuir para o diagnóstico mais precoce dessas enfermidades através da difusão de conhecimento entre os profissionais de saúde e da orientação e do esclarecimento do público leigo, por meio de sites e redes sociais, a respeito dos sintomas das doenças.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

Reconhecer o problema mais cedo e fazer um diagnóstico preciso − o que, além de consultas com especialistas, demanda exames de imagem e colonoscopia − leva a melhores condições de tratamento, maior controle da inflamação e prevenção de complicações.

Atualmente, temos à disposição no Brasil diversos tratamentos para as DII, tanto no sistema público quanto no privado. São medicamentos de várias classes, como corticoides, imunossupressores orais e agentes biológicos injetáveis. Ainda assim, uma parcela significativa dos pacientes necessita passar por cirurgias no intestino.

Então fica o alerta: quanto mais precoce o diagnóstico for feito e mais prontamente se iniciar o tratamento nos centros de referência, menores as chances de depender de procedimentos mais invasivos e os prejuízos à qualidade de vida.

Compartilhe essa matéria via:

* Paulo Gustavo Kotze é coloproctologista, professor da PUC-PR e membro titular da Sociedade Brasileira de Coloproctologia 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês