Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Desafios e eficácia da cirurgia de redesignação sexual para pessoas trans

O procedimento não é uma intervenção estética, mas sim uma indicação médica para reduzir o sofrimento e melhorar a qualidade de vida das pessoas

Por Thiago Caetano, urologista e cirurgião de redesignação sexual e afirmação de gênero*
28 jun 2024, 10h17

No contexto do Mês do Orgulho LGBTQIAPN+, é crucial abordar um tema de extrema importância para a comunidade transgênero: a cirurgia de redesignação sexual.

Este procedimento complexo tem o objetivo não apenas de alinhar o corpo à identidade de gênero das pessoas trans, mas também de melhorar significativamente sua qualidade de vida.

A disforia de gênero, um desconforto profundo e persistente com a genitália atribuída ao nascimento, é a principal indicação para a cirurgia. No Brasil, antes de qualquer intervenção, é exigido um acompanhamento mínimo de um ano por uma equipe multiprofissional, que inclui psicólogos, psiquiatras, endocrinologistas, urologistas, entre outros especialistas.

Este período é necessário para avaliar tanto a saúde física quanto mental do paciente, garantindo que esteja em condições ideais para a operação.

É fundamental destacar que não se trata de um procedimento estético, mas sim uma intervenção médica destinada a reduzir o sofrimento associado à disforia de gênero.

Também vale dizer que o procedimento não é obrigatório. Uma pessoa transgênero pode viver bem com o seu corpo, sem grandes modificações. A principal indicação é para quem apresenta sofrimento relacionado à genitália. A melhora de qualidade de vida e funcionalidade após a cirurgia é notável nestes casos.

+ Leia também: Preconceito contra LGBTQIA+ ainda é problema na saúde

Continua após a publicidade

Tipos de cirurgia de redesignação sexual

Existem dois tipos principais de intervenção: a feminizante e a masculinizante. A primeira transforma uma genitália originalmente masculina em feminina, enquanto a segunda realiza o processo inverso.

Cada procedimento exige uma avaliação cuidadosa da condição de saúde do paciente, variando desde exames básicos até investigações mais detalhadas, dependendo das necessidades individuais.

Os benefícios do processo bem indicado são indiscutíveis, mas é importante estar ciente das possíveis complicações pós-operatórias. O acompanhamento pós-cirúrgico é essencial, geralmente estendendo-se por pelo menos seis meses, para monitorar e tratar quaisquer problemas que possam surgir.

+ Leia também: Falta diversidade na saúde

Letramento LGBTQIAPN+

A inclusão e o respeito à diversidade também se estendem ao ambiente hospitalar através do conceito de letramento LGBTQIAPN+. Este processo educativo visa sensibilizar profissionais de saúde sobre as necessidades específicas desta comunidade, promovendo um atendimento mais empático e eficaz.

No Hospital Alemão Oswaldo Cruz, iniciativas como grupos de afinidade para colaboradores e pacientes são parte integrante do Programa de Diversidade, Equidade e Inclusão desde 2023. Estes grupos não apenas oferecem apoio mútuo, mas também promovem um ambiente seguro e acolhedor.

Continua após a publicidade

Um aspecto crucial é o uso adequado de pronomes e a adequação de formulários e documentos para refletir a diversidade de gênero e orientação sexual. Essas medidas são fundamentais para garantir que todos se sintam reconhecidos e respeitados em ambientes de saúde.

Por fim, a cirurgia de redesignação sexual representa não apenas um avanço médico, mas também um passo crucial na jornada de muitas pessoas transgênero. Promover o acesso equitativo a esses procedimentos e combater estigmas são passos essenciais para garantir saúde, bem-estar e inclusão para todos.

*Thiago Caetano, urologista e cirurgião de redesignação sexual e afirmação de gênero do Hospital Alemão Oswaldo Cruz

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.