Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Com a Palavra Por Blog Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde

CAR-T: a revolução no tratamento de doenças como a leucemia

Terapia celular será aplicada em quatro centros de referência no Brasil. Especialista explica como funciona

Por Phillip Scheinberg, hematologista* 8 abr 2022, 15h30

A terapia CAR-T está revolucionando o tratamento das doenças onco-hematológicas, alterando de forma significativa o curso natural de doenças como leucemia linfoblástica aguda de células B, linfoma difuso de grandes células B e mieloma múltiplo. Pacientes com esses tipos de câncer no sangue e no sistema linfático que não respondem às terapias convencionais poderão tirar proveito da inovação, recém-aprovada no Brasil pela Anvisa.

Quatro centros de referência estão aptos a administrar essa terapia que se vale de células geneticamente modificadas no país, entre eles a BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, onde atuo. Assim que for concluído o processo de precificação junto ao governo, poderemos iniciar os atendimentos para o novo tratamento.

A terapia com uso de linfócitos (um tipo de célula de defesa) não é exatamente algo novo. Ela vem sendo estudada por décadas por meio de diferentes técnicas e metodologias. A primeira descrição da tecnologia atual, conhecida pela sigla CAR-T, surgiu em 1989 em um artigo publicado em periódico da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos.

De lá para cá foram feitas várias tentativas de aplicar essa estratégia, e os primeiros resultados positivos foram publicados entre 2011 e 2012 por um grupo da Universidade da Pensilvânia e dos Institutos Nacionais de Saúde dos EUA.

A técnica do CAR-T utiliza dois tipos de linfócitos, o B e o T. O linfócito B é excelente em reconhecer proteínas na superfície das células, inclusive as dos tumores, mas não possui uma capacidade destrutiva alta. Já o linfócito T também faz o reconhecimento, porém com muito mais dificuldade, mas tem uma capacidade destrutiva superior.

Com o CAR-T, transferimos geneticamente o poder de reconhecimento do linfócito B para o linfócito T. Assim conseguimos fazer com que o linfócito T tenha a capacidade de reconhecimento do linfócito B associada ao seu armamentário altamente letal contra as células tumorais.

+ LEIA TAMBÉM: Nova terapia que pode mudar o tratamento de alguns tipos de câncer chega ao país

Para o novo tratamento, há a coleta dos linfócitos do paciente através de um procedimento chamado aférese, no qual há a separação dos componentes do sangue por centrifugação em um equipamento automatizado. O material biológico rico em linfócitos T é enviado para laboratórios específicos, geralmente nos EUA ou na Europa, é modificado geneticamente e retorna ao Brasil para ser infundido novamente no paciente. Todo esse processo dura em média 30 dias.

A elegibilidade para a CAR-T depende de uma avaliação médica especializada, mas, em geral, é dirigida a pacientes com uma doença com comportamento mais resistente ou refratário às abordagens tradicionais e que tenham condições de serem submetidos a essa terapia.

Continua após a publicidade

Um dos aspectos mais importantes é o encaminhamento do paciente no tempo correto para os centros de referência para que não se perca a janela em que podemos avaliá-lo, verificar os critérios de elegibilidade e partir para o tratamento.

Compartilhe essa matéria via:

O CAR-T permite atuar onde a quimioterapia já falhou e resgatar pacientes que não responderam a até sete linhas de tratamento. Ou seja, pode ser uma solução altamente eficaz e até curativa nesses casos. Estudos mostram que, entre pacientes com linfomas refratários a múltiplos tratamentos, as curvas de sobrevida têm se mantido em torno de 40%, possibilitando que pessoas fiquem em remissão da doença por anos.

Para a leucemia linfoblástica aguda, os números são ainda melhores, em torno de 50 a 60% de sobrevida livre de eventos. Um exemplo e símbolo disso é a americana Emily, que recebeu, aos 7 anos em 2012, a terapia CAR-T dentro de um protocolo de pesquisa para leucemia linfoblástica aguda refratária e se mantém em remissão até hoje.

Já para o mieloma múltiplo, os dados ainda são menos maduros, porém temos visto que a capacidade de resposta em pacientes altamente refratários a tratamentos convencionais é alta, em torno de 80 a 90% no primeiro ano. Mas é preciso acompanhar esses estudos em congressos e periódicos para ver como os efeitos se traduzirão em sobrevida ao longo dos anos.

No Brasil, a Anvisa aprovou a terapia CAR-T para a leucemia linfoblástica aguda, alguns subtipos de linfoma não-Hodgkin como o difuso de grandes células B e o mieloma múltiplo.

Enquanto caminhamos para o primeiro tratamento fora de caráter experimental no Brasil, novos protocolos de pesquisa têm sido desenvolvidos para oferecer a CAR-T mais precocemente a pacientes de alto risco, conforme foi apresentado e discutido no último congresso da Sociedade Americana de Hematologia.

Além disso, há um movimento para que esses estudos clínicos, que englobam formas mais potentes do tratamento e com menos efeitos adversos, possam também ser realizados no Brasil. A revolução, felizmente, já começou!

* Phillip Scheinberg é hematologista e coordenador da hematologia do Centro de Oncologia e Hematologia da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)