saudeLOGO Created with Sketch.

Um tratamento inovador contra a insuficiência cardíaca

Médico explica o impacto e as vantagens de um remédio aprovado recentemente para evitar o colapso do coração

Ao longo dos anos, estamos avançando no entendimento e no tratamento da insuficiência cardíaca, uma doença não tão conhecida da população, mas que afeta aproximadamente 3 milhões de pessoas somente no Brasil. Trata-se de um dos principais problemas que atingem o coração, muitas vezes consequência de outras condições, como pressão alta e infarto. A insuficiência cardíaca é responsável por duas a três vezes mais mortes que cânceres como os de mama e intestino.

A enfermidade tem um peso importante e crescente do ponto de vista econômico. Gera uma perda de 22 bilhões de reais para os cofres do país se levarmos em conta os custos com internações no sistema de saúde e a redução da produtividade dos pacientes. Pessoas com insuficiência cardíaca enfrentam repetidas hospitalizações e sintomas que atrapalham a realização de atividades cotidianas.

Por mais de uma década médicos e pacientes conviveram com a falta de novos tratamentos para a doença. Felizmente, em 2017, vivenciamos a chegada de uma classe diferente de remédios, que trouxe um novo rumo para o controle da insuficiência cardíaca. A medicação, que combina os princípios ativos sacubitril e valsartana, reduz o risco de morte, diminui as hospitalizações e melhora a qualidade de vida.

Segundo o estudo batizado de PARADIGM, a nova droga se mostrou capaz de baixar o risco de morte por uma causa cardiovascular em 20% e reduziu a taxa de hospitalizações em 21% na comparação com o tratamento padrão anterior (um medicamento chamado enalapril). Essa análise contempla mais de 8 mil pacientes e é decisiva pois avalia a superioridade do novo remédio comparando-o com a terapia já estabelecida — é diferente, portanto, de pesquisas que testam a medicação contra um placebo, comprimido sem princípio ativo.

Dois novos estudos, o TRANSITION e o PIONEER, confirmam os benefícios e a segurança da medicação para uma ampla variedade de pacientes internados com insuficiência cardíaca com fração de ejeção reduzida, condição em que os ventrículos do coração não se contraem adequadamente.

Durante as investigações do TRANSITION, envolvendo 1 002 pacientes em 156 centros médicos ao redor do mundo, também foi observado que o período de hospitalização oferece uma boa oportunidade para os médicos otimizarem o tratamento da insuficiência, reduzindo, assim, a probabilidade de readmissão do paciente no ambiente hospitalar e o risco de morte atrelado a essa reinternação.

No estudo PIONEER, por sua vez, os pesquisadores avaliaram a segurança, a tolerabilidade e a eficácia do medicamento à base de sacubitril/ valsartana em comparação com o enalapril em 881 pacientes hospitalizados, com uma média de idade de 61 anos. E concluíram que o primeiro trouxe vantagens não só nos exames como na redução do risco de morte.

Segundo a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), as doenças cardiovasculares são a principal causa de morte no mundo. No ano passado, 17 milhões de pessoas foram vítimas de problemas do coração. A chegada de remédios inovadores para insuficiência cardíaca representa um impacto muito positivo no futuro e no presente da medicina — especialmente para as pessoas que sofrem ou poderão sofrer do problema.

*Dr. Dirceu Rodrigues Almeida é cardiologista, especialista em insuficiência cardíaca e professor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp)