Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês
Com a Palavra Por Blog Neste espaço coordenado pelo jornalista Diogo Sponchiato, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde

O revés do antibiótico e a ameaça das bactérias resistentes

Na semana de conscientização sobre o uso desses medicamentos, especialista explica por que precisamos nos mobilizar diante do perigo das superbactérias

Por Sylvia Lemos Hinrichsen, infectologista* 23 nov 2021, 10h25

Os cuidados com a saúde precisam ser diários e necessitam do envolvimento de todos: de cada pessoa, independentemente de estar bem ou doente, da sociedade e dos órgãos públicos e privados. É importante destacar aqui o papel de profissionais de saúde, educadores e pacientes em um cenário específico e pouco abordado durante a pandemia: a ameaça das bactérias resistentes. É preciso falar sobre isso!

Em todo o mundo, a resistência bacteriana é responsável pela morte de 700 mil pessoas por ano. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), até 2050 teremos mais de 10 milhões de mortes, mais do que as provocadas atualmente pelo câncer. É um horizonte preocupante, que demanda novas ideias e estratégias para mudar essa realidade.

O tratamento básico de infecções por bactérias é ancorado nos antibióticos. O primeiro deles, a penicilina, foi descoberto em 1928 por Alexander Fleming, um grande feito, que muito contribuiu na redução de mortes por doenças bacterianas.

+ LEIA TAMBÉM: As dez descobertas acidentais que marcaram a medicina

De lá para cá, no entanto, o uso inadequado desses medicamentos tem contribuído para o aparecimento das bactérias resistentes, aquelas que escapam da ação do antibiótico.

Prescrever um tratamento, especialmente para infecções, requer uma boa investigação diagnóstica para chegar à possível causa da doença. A partir disso, vamos saber se há exames necessários e o que receitar.

Para indicar um antibiótico, precisamos avaliar adequadamente para entender se a infecção é mesmo bacteriana, se ele vai combater aquela bactéria em específico, sendo importante garantir a dose certa (de acordo com peso, perfil de absorção etc.)… Enfim, são vários parâmetros nem sempre observados.

Além disso, temos um desconhecimento por parte dos pacientes e/ou prescritores sobre os riscos do uso dos antibióticos, o que tem impacto na disseminação da resistência bacteriana.

Continua após a publicidade

+ LEIA TAMBÉM: Bactérias multirresistentes são identificadas fora do ambiente hospitalar

Precisamos quebrar o paradigma de que qualquer infecção deva ser tratada com antimicrobianos, particularmente os antibióticos. Essa falsa impressão – e a pressão pela prescrição – está há muito tempo em nossa cultura e, aqui, falo como infectologista e cidadã.

Temos que nos conscientizar que é necessária uma atuação que começa na sala de aula, com os alunos de saúde que um dia serão prescritores, e se estende por programas de controle de antimicrobianos, que é o gerenciamento do uso de antibióticos, em hospitais e unidades de saúde.

Experiências internacionais mostram o impacto dessas atitudes na segurança dos pacientes. E as campanhas educativas para o público em geral também são fundamentais para promover a conscientização e gerar mudanças.

+ LEIA TAMBÉM: Novos hábitos ajudam a vencer as superbactérias, uma preocupação mundial

Diante da realidade atual e global da resistência bacteriana, ainda é importante reforçar outras medidas: manter as mãos sempre higienizadas e a vacinação em dia. Essas duas atitudes, simples e acessíveis, ajudam a evitar quadros infecciosos que podem resultar na prescrição necessária de um antibiótico.

Assim, a adoção dessas boas práticas está em nossas mãos. Depende de todos nós – profissionais de saúde, pacientes, governos e sociedade civil – mudar nosso presente e futuro em relação às bactérias.

* Sylvia Lemos Hinrichsen é infectologista, professora titular de Medicina Tropical da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e consultora de biossegurança 

Continua após a publicidade

Publicidade