Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês
Com a Palavra Por Blog Neste espaço coordenado pelo jornalista Diogo Sponchiato, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde

Espiritualidade em tempos de coronavírus

Médico tece uma reflexão sobre o papel da espiritualidade no enfrentamento da crise da Covid-19 — e no mundo pós-pandemia

Por Dr. Felipe Moraes, oncologista* - Atualizado em 9 abr 2020, 18h50 - Publicado em 31 mar 2020, 15h31

Tempos de crise são tempos de sofrimento e dor, mas também de transformação e conversão. Em um pensamento para além do debate atual sobre as necessárias medidas de combate à Covid-19 (doença causada pelo novo coronavírus), gostaria de compartilhar minhas reflexões sobre duas consequências da pandemia que podem ser oportunidades para nosso crescimento.

Primeiramente, ela nos lembra nossa fragilidade. O rastro de morte, de medo e de paralisação social que esse pequeno ser acelular nos impõe é um duro golpe contra a ditadura do narcisismo humano. Diante de uma ameaça invisível e traiçoeira, que pode levar de nossa presença tantos entes queridos, fica na boca o amargo sabor da impotência. Percebemo-nos como verdadeiramente somos: finitos e pequenos.

Nessa perspectiva, abrem-se caminhos de espiritualidade que devem nos conduzir para fora de nós, para a transcendência e o encontro com Deus. Desse encontro brota a esperança que nos conduz para além da materialidade e nos dirige rumo ao infinito. Ao abraçar o divino, o homem tem a oportunidade de alimentar-se de uma vida que não cessa, que pulsa e encoraja. Mas onde podemos encontrar essa fonte do Bem supremo, quando tudo escurece e esfria ao nosso redor?

É justamente na caridade para com aquele que sofre que podemos ter esse encontro, pois na prática do amor desvela-se a verdadeira essência do sagrado. Como não ver nos exemplos de Irmã Dulce e de madre Tereza de Calcutá o brilho da santidade que emana do cuidado ao necessitado, ao doente, àquele que ninguém quer. São muitos os que hoje fazem isso nos hospitais assolados pelo coronavírus no mundo todo.

Continua após a publicidade

O confronto com o sofrimento nos convida, também, a um itinerário interior em busca de iluminação, através de oração e meditação, formas de diálogo com o Divino. Buda começou seu caminho espiritual a partir do contato com a fragilidade humana após abandonar o fausto palácio em que fora criado. Trata-se de um convite universal.

Em segundo lugar, para além de nossa fragilidade, a pandemia que vivemos nos recorda nossa dependência. Somos seres mutuamente dependentes. Ninguém pode cuidar-se sozinho em uma UTI, sempre se depende de outros, de muitos, de todos. Somos seres criados para a solidariedade, para a conexão e para o afeto. Aproveitemos esses tempos para uma experiência de conectividade mais profunda com aquilo e com aqueles que realmente importam.

Alguns dizem que o mundo não será o mesmo depois da Covid-19, espero que estejam certos. Espero que a saudade dos abraços nos torne mais afetuosos, que a saudade dos templos fortaleça nossa fé, que a saudade de nossos avós nos faça amá-los e visitá-los mais e que a visão de nossa pequenez nos permita olhar mais para o alto.

* Dr. Felipe Moraes é oncologista clínico, teólogo e atuante no Hospital São Camilo (Pompeia), na capital paulista

Publicidade