Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês
Com a Palavra Por Blog Neste espaço coordenado pelo jornalista Diogo Sponchiato, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde

Atrofia vaginal, um problema que não se limita à idade e tem solução

Embora seja mais comum na pós-menopausa, condição não depende só da faixa etária. Médico destaca a importância de falar sobre o assunto e desmistificá-lo

Por Luciano de Melo Pompei, ginecologista* Atualizado em 14 set 2021, 10h26 - Publicado em 13 set 2021, 10h01

Por muitas vezes, o termo “atrofia vaginal” foi incompreendido e mistificado. Por tabu, falta de diálogo entre paciente e médico ou, até mesmo, pelo desconhecimento da condição. Inclusive, recentemente, a expressão começou a cair em desuso e foi substituída por síndrome urogenital da menopausa, sob a justificativa da falta de entendimento por parte das mulheres.

Mas como explicar, de maneira didática e simplificada, o que é esse problema? Vamos começar pela causa da condição: a menopausa, que é um processo de envelhecimento natural do corpo e significa que os ovários pararam de produzir o principal hormônio feminino, o estrogênio.

A atrofia vaginal é uma das consequências do declínio desse hormônio, que é essencial para o ciclo reprodutivo – ele é produzido em paralelo ao desenvolvimento e à liberação de um óvulo todo mês – e também promove o espessamento do revestimento interno do útero para a recepção do óvulo fertilizado.

A média etária da menopausa se situa por volta dos 50 anos, mas podem ocorrer variações em torno disso. Todavia, os sintomas já podem começar antes da interrupção definitiva das menstruações – e os fogachos, aquelas ondas de calor, são as manifestações mais conhecidas.

A atrofia vaginal, por sua vez, é caracterizada por sensação de ardor ou prurido na região genital, dor na relação sexual e, eventualmente, aumento de infecções vaginais e urinárias. Como consequência, surgem desconfortos em atividades diárias simples, como andar e praticar exercícios físicos. Mas não é só isso: além das alterações fisiológicas, as mulheres afetadas também sofrem com mudanças na rotina e um impacto na qualidade de vida.

LEIA TAMBÉM: Brasileiras andam insatisfeitas com a própria vagina. Mas por quê?

O problema ainda é subdiagnosticado e um dado chama bastante atenção: aproximadamente 56% das mulheres na pós-menopausa apresentam sintomas da atrofia vaginal no Brasil. E mais de 90% delas gostariam de receber orientações do seu médico a respeito – o que só reforça a necessidade de falar do assunto.

A naturalização da menopausa como processo inevitável deve ser discutida e assumida, mas não se deve naturalizar os sintomas e os incômodos – infelizmente, muitas mulheres acabam achando que a atrofia vaginal faz parte do processo de envelhecimento e nem procuram uma solução. Esse é um pensamento equivocado, que só faz adiar a busca por orientação profissional.

Também é importante ressaltar que a síndrome urogenital da menopausa não está restrita às mulheres que estão entrando ou já estão na menopausa. É muito comum o aparecimento da condição, por exemplo, no período pós-parto. Do ponto de vista hormonal, a fase em que a mulher está amamentando, principalmente nos primeiros meses, é muito parecida com a menopausa, uma vez que há também uma diminuição da produção de estrogênio.

Continua após a publicidade

O diálogo entre paciente e médico faz a diferença e é mais que necessário. Relatar qualquer evento ou mudança sentida, de normal a anormal, ajuda no diagnóstico, que é feito por meio de avaliação clínica. Muitas mulheres não percebem que esse problema está relacionado à falta dos hormônios femininos e não o reportam ao ginecologista.

Por outro lado, percebemos que muitos profissionais não perguntam sobre os sintomas vaginais. Daí que precisamos sensibilizar também a classe médica. Médicos: façam perguntas. Mulheres: deem seus relatos. Precisamos disseminar o máximo de informações sobre o corpo feminino e conscientizar e estimular a busca por diagnóstico e tratamento.

+ LEIA TAMBÉM: A importância de se exercitar antes da menopausa

Isso porque, com o tratamento adequado, é possível ter ou restabelecer a qualidade de vida. A mulher na menopausa não volta a produzir estrogênio, mas é possível realizar um controle para o equilíbrio dos níveis hormonais e trazer de volta o conforto, a segurança e a liberdade que, pouco a pouco, os sintomas tiram.

Secura, queimação, coceira e dores nas relações sexuais são situações que podem ser amenizadas a partir da administração de hormônios de uso tópico, como cremes, óvulos vaginais e comprimidos vaginais – que agem na mucosa da vagina e melhoram as camadas celulares e a secreção fisiológica ali.

Os hidratantes vaginais, que são substâncias não hormonais, também podem colaborar com a hidratação da região. Hoje há possibilidades terapêuticas para quem pode usar hormônios e opções para quem não pode ou não deve usar hormônios também.

Para tirar proveito dessas soluções, é preciso se conhecer e conversar com o médico. Ora, esse problema não pode atrofiar a qualidade de vida das mulheres.

* Luciano de Melo Pompei é ginecologista e professor da Faculdade de Medicina do ABC

Continua após a publicidade

Publicidade