saudeLOGO Created with Sketch.

O que é o feijão guandu e quais seus valores nutricionais?

Apesar de menos comum que o carioca, o guandu também protagoniza a dieta dos brasileiros em certas regiões. Descubra como incluí-lo nas refeições

Sempre acompanhado pelo arroz, o feijão carioca é a mais tradicional das leguminosas no Brasil. Mas ele não é o único integrante dessa família. Há outro parente não tão famoso, porém igualmente nutritivo. Estamos falando do feijão guandu.

Também conhecido como andu, ele é encontrado com frequência em partes dos estados de Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Tocantins, Maranhão, Piauí e Bahia. Por ser facilmente cultivado nos quintais domésticos dessa região, nosso leitor Sérgio Hirata entrou em contato para pedir mais informações sobre seu valor nutricional.

De acordo com a nutricionista e professora do Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição da Universidade de São Paulo (USP), Solange Guidolin Canniatti Brazaca, o feijão guandu é fonte de proteínas e minerais, como ferro, cálcio, magnésio e fósforo, além de carboidratos complexos.

A expert lembra que ele, como outras leguminosas, deve ser combinado com cereais, tais como arroz, milho ou trigo. Dessa maneira, o organismo aproveitará melhor a quantidade de proteínas do alimento.

Até aí, tudo muito parecido com o feijão carioca, não é mesmo? “Nutricionalmente, as leguminosas têm praticamente as mesmas substâncias”, corrobora Solange.

A nutricionista explica que, por ser produzido em menor escala, o andu via de regra é mais caro que o carioquinha, mas isso vai depender da localidade e da disponibilidade. “O feijão guandu é mais resistente à seca. Por isso, em algumas regiões é mais barato e substitui o carioca sem prejuízo nutricional”, conclui.

A boa notícia para quem cultiva o guandu em casa é que ele pode não apenas substituir o feijão carioca nas refeições – se consumido na forma seca – como ficar no lugar das ervilhas, desde que preparado quando ainda estiver verde.

Na versão seca, ele vai bem cozido ou refogado, combinado com arroz, na preparação do tradicional virado à paulista ou em saladas. Se você optar pela forma verde, também é uma boa pedida para saladas, assim como farofas, tortas e fritadas. Para quem ainda não experimentou, vale a pena!

FONTE: Solange Guidolin Canniatti Brazaca, professora do Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (USP); Embrapa Gado de Corte e Embrapa Informação Tecnológica.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s