Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

As fibras são essenciais na alimentação de quem sofreu infarto

Elas aparecem como melhor pedida na dieta de quem quer evitar um novo ataque cardíaco por um período de cerca de nove anos.

Por Redação M de Mulher Atualizado em 6 mar 2019, 13h53 - Publicado em 17 jul 2014, 22h00

Estudiosos da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, analisaram as informações de 4.098 homens e mulheres que tiveram a má sorte de infartar. Compararam o que comiam antes do baque no coração e depois, ao longo de nove anos. No fim das contas – e, acredite, os pesquisadores fizeram muitas contas para não fazer promessas vãs -, concluíram que os indivíduos com consumo adequado de fontes fibrosas, principalmente cereais, reduziram em 13% o risco de morrer por novas complicações cardiovasculares.

Mas por que a fibra ajuda?

1· Ela evita descarga de insulina
Ao evitar que uma refeição qualquer leve repentinamente as taxas de açúcar circulante às alturas, as fibras previnem por consequência descargas exageradas do hormônio insulina, despejado pelo pâncreas para dar conta de tanta glicose que chega de uma hora para outra ao organismo. Isso faz diferença, já que a abundância de insulina está associada ao acúmulo de gordura no abdômen, situação que deixa o coração mais abatido do que a própria autoestima.

2· Aumenta a sensação de saciedade
É preciso ainda lembrar que fibras aumentam a sensação de saciedade, justamente porque exigem maior tempo de mastigação – dando prazo para o cérebro perceber que o corpo já está sendo alimentado – e prolongam o período da digestão. Sem sentir tanta fome, é provável que a pessoa não caia de boca na comida, ingerindo mais e mais calorias, inclusive itens cheios de colesterol.
3· Ajudam a eliminar o mau colesterol
As fibras ajudam a arrastar o LDL, a versão ruim dessa gordura, para fora do organismo junto com as fezes. Ou seja, atuam em muitas frentes para evitar sua escalada.

Quanto ingerir

De 25 a 30 gramas de fibras diariamente – e a mesmíssima porção vale para uma pessoa saudável, que nunca teve um piripaque cardíaco. Para alcançar a quantidade, vale investir em todas as fontes. “No pacote, vêm vitaminas, minerais e outros nutrientes que potencializam os benefícios para os vasos”, diz Lis Proença Vieira, do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas de São Paulo, o InCor. Confira as fontes de fibras que você deve incluir no cardápio:

Fontes de fibras

Saiba porque as fibras são essenciais na alimentação de quem sofreu infartoFoto: Oksana Nazarchuk/ Thinkstock/Getty Images

Oleaginosas: castanhas, nozes e afins têm gorduras monoinsaturadas que protegem as artérias do colesterol ruim.

Leguminosas: a turma do feijão, da soja e da lentilha tem proteínas que também ajudam a controlar o colesterol indesejável.

Cereais: fontes de vitaminas e minerais que zelam pelas boas condições dos vasos sanguíneos.

Frutas e verduras: abrigam diversas substâncias de ação antioxidante, que evitam o enrijecimento da parede dos vasos e a formação das placas de gordura.

Continua após a publicidade
Publicidade