Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Meia colher de sopa de azeite ao dia para viver mais

Em estudo, essa dose do tempero foi ligada a uma redução no risco de morte por várias causas. Mas hábito deve estar aliado a outros comportamentos saudáveis

Por Da Redação 18 jan 2022, 18h53

Pessoas que consomem mais de sete gramas de azeite de oliva (ou meia colher de sopa) por dia estariam mais protegidas contra uma morte prematura por todas as causas e também por motivos específicos, como doenças cardiovasculares, neurodegenerativas e câncer.

Essa é a conclusão de um estudo publicado no Journal of the American College of Cardiology. Nele, pesquisadores da Harvard T.H. Chan School of Public Health, nos Estados Unidos, analisaram dados de 60 582 mulheres e 31 801 homens coletados durante 28 anos.

Os participantes não tinham histórico de doenças cardiovasculares ou câncer no início do acompanhamento e, a cada quatro anos, completavam questionários sobre seu estado de saúde. Ao longo do tempo, 36 856 pessoas morreram.

Foi concluído que, em comparação a quem raramente ou nunca recorria ao azeite, os maiores consumidores do tempero (com ingestão acima de 7 gramas ao dia) apresentavam:

  • 19% menos risco de mortalidade geral ou por doença cardiovascular;
  • 17% menos risco de morte por câncer;
  • 29% menos risco de mortalidade por doenças neurodegenerativas;
  • 18% menos risco de morrer por causas respiratórias
Compartilhe essa matéria via:

Os voluntários fãs do azeite usavam o óleo para temperar saladas e pratos prontos, assar ou fritar alimentos, além de adicioná-lo a alimentos como o pão.

Um estudo anterior, também de longa duração, já havia relacionado o consumo de 4 colheres de sopa desse alimento (ou 40 gramas por dia) à boa saúde cardiovascular. Outros trabalhos ainda reconhecem os efeitos do alimento no controle do colesterol, da glicose, da pressão arterial, do peso e até contra o declínio cognitivo.

No levantamento de Harvard, os pesquisadores frisam que a preferência por azeite foi ligada a uma menor probabilidade de morte quando comparada à utilização de itens como margarina, manteiga e maionese.

Ora, não adianta incluir o ingrediente proveniente da azeitona na dieta e se entupir de produtos que promovem o efeito contrário.

Continua após a publicidade

É importante lembrar que itens de origem animal, como a manteiga, são fontes de gordura saturada, cujo excesso é vinculado a um aumento no risco cardiovascular e a outros malefícios à saúde.

LEIA TAMBÉM: Azeite contra a osteoporose

“Nossas descobertas confirmam as recomendações dietéticas atuais para substituir as gorduras animais por óleos vegetais para a prevenção de doenças crônicas e morte prematura”, disse Marta Guasch-Ferré, pesquisadora sênior do Departamento de Nutrição da Harvard Chan School.

É que, por outro lado, os óleos vegetais são, em geral, redutos de gorduras insaturadas, apelidadas de “gorduras boas”.  Nesse grupo, temos dois tipos: as poli-insaturadas (encontradas nos óleos de milho, soja, girassol e canola) e as monoinsaturadas (representadas pelo bendito azeite).

Mas, claro, o consumo de ambas deve ser moderado, já que o abuso também leva ao ganho de peso. No caso do azeite, dá para chegar a duas colheres de sopa.

Por que o azeite extravirgem é superior

Essa versão vem da primeira prensa da azeitona e, por isso, concentra mais substâncias benéficas, como os desejados antioxidantes.

Embora não tenha problema levá-lo ao fogo, alguns desses componentes celebrados, a exemplo dos polifenóis, acabam perdidos em altas temperaturas. Por isso, o mais proveitoso é utilizá-lo ao fim das preparações.

Aliás, para evitar a degradação mais acelerada dos polifenóis, guarde seu vidro de azeite longe da luz.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês