Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Cientistas desvendam o que acontece com as frutas após a colheita

Entender melhor o processo de amadurecimento dos vegetais pode evitar o descarte desnecessário de comida

Por André Biernath Atualizado em 14 fev 2020, 18h24 - Publicado em 31 ago 2017, 18h42

O desperdício é um dos principais problemas da cadeia de alimentos. Estima-se que 15 a 40% das frutas, verduras e legumes vão parar no lixo antes de chegar à mesa do consumidor. Entre os principais motivos para tamanha perda, estão os danos que ocorrem no transporte da lavoura até os pontos de venda e o amadurecimento antecipado.

A boa notícia é que a ciência pode ajudar — e muito — a diminuir essas estatísticas. O farmacêutico Franco Maria Lajolo, a química Beatriz Rosana Lysenko e o bioquímico João Roberto do Nascimento são pioneiros na área e se dedicam a estudar, na Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo, as transformações pelas quais os vegetais passam depois de serem retirados das árvores.

  • Por vários anos, eles analisaram quais eram os fatores moleculares e hormonais que faziam esses produtos apodrecerem com o tempo. Para isso, pesquisaram dois dos frutos mais populares do Brasil: a banana e o mamão. Os achados mostram que a programação genética está diretamente relacionada com o fenômeno do amadurecimento.

    Os experts descobriram, por exemplo, o que faz a nanica verde ficar amarela e doce. A partir daí, é possível criar estratégias para retardar esse processo e garantir um prazo de validade maior. Na papaia, por sua vez, eles vasculharam a fundo as moléculas que fazem a polpa ficar macia e apetitosa. O objetivo final é pensar em maneiras de manter a fruta mais firme durante o transporte, evitando que as batidas estraguem o seu conteúdo e impeçam o consumo.

    É lógico que um trabalho tão fascinante não poderia ficar sem homenagens. Em 2016, o trio de cientistas brasileiros recebeu o Prêmio Péter Murányi, que valoriza iniciativas nas áreas de saúde, alimentação e educação nos países em desenvolvimento. As inscrições para a edição de 2018 da premiação estão abertas! Acesse o site clicando aqui.

    Continua após a publicidade
    Publicidade