saudeLOGO Created with Sketch.

Saiba como se forma a memória

Confira o que já se conhece sobre uma das habilidades mais fascinantes do cérebro humano

Apesar dos avanços recentes, a ciência ainda não compreende totalmente a maneira como guardamos e organizamos as lembranças. Sabemos, por exemplo, que existem fatores que influenciam positiva e negativamente na aptidão para reter informações, números e fatos. Exercício físico, boa alimentação, estudar e ler fortalecem a memória. Já pancadas, depressão, isolamento social, estresse e envelhecimento prejudicam. Veja abaixo como funciona o processo completo:

1. Os sentidos

A todo momento, captamos diversos estímulos do ambiente por meio da visão, da audição, do olfato, do paladar e do tato. As informações que são úteis para nossa vida são enviadas ao cérebro por meio de sinais elétricos.

2. É pá-pum!

A primeira etapa de armazenamento é a memória de curto prazo, que dura segundos. Se o fato não é importante, como o telefone de uma pizzaria, logo acaba esquecido. Caso tenha relevância, é despachado para outras instâncias da cabeça.

 

Veja também

 

3. Arquivo mental

As memórias de longo prazo duram semanas, anos ou décadas e estão guardadas nas sinapses, as conexões entre os neurônios. Quanto mais forte essa ligação, mais inesquecível será a lembrança. Elas são divididas em duas modalidades:

Memórias explícitas
São aquelas que podem ser descritas por meio de palavras e frases. Há dois subgrupos:

  • Episódica: relacionada a eventos e datas bem delimitados – a recordação de seu casamento ou aquela viagem a Paris.
  • Semântica: abrange o significado de símbolos e objetos sem um tempo definido. Você sabe o que é lápis, placa, bola…

Memórias implícitas
Processos que fazemos no famoso piloto automático. Existem três tipos:

  • Adquirida: ocorre quando se percebe algo previamente. É o caso de reconhecer amúsica ao ouvir os primeiros acordes.
  • De procedimento: capacidade de fazer operações sem pensar diretamente nelas. O exemplo clássico é andar de bicicleta.
  • Associativa: trata-se da resposta natural a algum estímulo externo, como salivar ao ver uma rosquinha apetitosa.

Fontes: Ivan Izquierdo, neurologista e coordenador do Centro de Memória da pontifícia Universidade Católica do Rio Grande Do Sul; Jéssica Elias Vicentini, neuropsicóloga e doutoranda do laboratório de neuroimagem da Universidade Estadual De Campinas (SP); Leonardo Cruz de Souza, neurologista da Universidade Federal de Minas Gerais

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s