saudeLOGO Created with Sketch.

Substância que regenera os dentes começa a ser testada

Um novo remédio que estimula células a preencher buracos nos dentes - o que evitaria as obturações - apresenta bons resultados em animais

Cientistas do King’s College de Londres divulgaram uma descoberta que pode aposentar um dos procedimentos mais realizados nos consultórios de odontologia: a obturação. Testes com roedores analisaram a eficácia da molécula Tideglusib, capaz de estimular células da polpa dental a preencher buracos nos dentes, de dentro para fora.

No estudo, publicado pela revista Nature, os pesquisadores afirmam que a substância, aplicada na cavidade do dente com uma esponja de colágeno biodegradável, tem efeito reparador “completo, eficaz e natural”.

Veja também

Quando um dente é danificado na superfície, a polpa fica exposta, o que aumenta o risco de infecções. Para que isso não aconteça, um mecanismo de defesa cria uma fina camada de dentina, tecido calcificado que compõe boa parte do dente.

O processo, porém, não é o suficiente para fechar buracos maiores e, por esse motivo, dentistas recorrem à obturação – preenchimento com amálgama metálico ou compostos feitos de vidro em pó e cerâmica, que precisam ser substituídos de tempos em tempos.

Veja também

“O dente não é apenas um pedaço de mineral, tem sua própria fisiologia. Assim, com obturações, você está substituindo um tecido vivo com um cimento inerte”, afirma o autor do estudo, Paul Sharpe ao The Guardian.

Para resolver esse problema, pesquisadores tentaram ampliar a capacidade de regeneração dos dentes e, assim, descobriram a Tideglusib (que já é usada no tratamento de Alzheimer). Após várias semanas, a equipe observou que o produto foi capaz de aumentar a atividade de células-tronco na polpa dental, reparando buracos de 0,13 mm nos dentes de ratos. E esse preenchimento natural seria a chave para manter os dentes saudáveis a longo prazo.

“Odontologia não é apenas perfurar e preencher. Existe uma preocupação sobre como manter os dentes saudáveis”, disse Ben Scheven, biólogo celular da Universidade de Birmingham, no Reino Unido, ao The Guardian. “Já posso imaginar isso sendo usado em uma clínica, especialmente por ser um tratamento acessível”. Mas, por ora, fique na salinha de espera: muitas pesquisas devem rolar até que a técnica seja testada em humanos e chegue até o consultório do seu dentista.

Esta matéria foi publicada originalmente no site da Superinteressante.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s