Realização:
|
Dieta

O fim da autossabotagem na dieta

Você sempre põe a perder a contagem de calorias da sua dieta recém-começada? Descubra as razões inconscientes dessa espécie de esquecimento e conheça 9 soluções para escapar das armadilhas

O fim da autossabotagem na dieta


por Liliane Oraggio

 

Conteúdo de BOA FORMA

 

Esquecer a senha do banco ou a data do aniversário do seu chefe é chato, mas não tem maiores consequências, ao menos para o seu corpo. Fatal mesmo é esquecer que aquelas três mordidas no sanduíche do seu namorado ou no doce da sua amiga tiram você do propósito de emagrecer. Pior ainda é entrar em transe diante da TV ou do computador e perder a noção de quantos biscoitos ou chocolates foram devorados. De deslize em deslize, a contagem de calorias entra em crise e o ponteiro da balança continua, no mínimo, onde estava: lá no alto. "Não é preciso contar calorias de forma obsessiva, mas especialmente nos dez primeiros dias de dieta é importante você ficar esperta. Depois o organismo se adapta e os resultados positivos estimulam a comer menos e melhor", diz a nutricionista Fúlvia Hazarabedian, da Academia Bio Ritmo, em São Paulo.


Conscientemente, você sabe que assumir um regime exige restrições, mas nem sempre o inconsciente está convencido disso. Se não há flexibilidade nessa briga, a razão é derrotada pela emoção. "Comer é muito mais do que abastecer-se de combustível para continuar produzindo. O modo como você se alimenta está diretamente relacionado aos vínculos de afeto e à sensação de recompensa por frustrações e carências", explica Regina Favre, psicoterapeuta corporal, de São Paulo. Portanto, mudar os hábitos à mesa é uma reeducação que exige paciência e foco em metas possíveis, conquistadas dia a dia. Isso pode ajudá-la a entender os erros sem se torturar depois.

 

Mas por que a gente esquece de computar boa parte do que come? "A maioria das pessoas tem uma rotina maluca, excesso de trabalho, pressa e preocupações. Tudo isso gera tristeza, ansiedade e depressão - sentimentos que fazem você canalizar o prazer para a comida", comenta Roseli Rossi, nutricionista da Clínica Equilíbrio Nutricional, em São Paulo. Por isso é necessário saber lidar com o stress, além de fazer escolhas nutritivas. Alimentos ricos em vitaminas e minerais também são importantes para o equilíbrio emocional, facilitando o controle das calorias.

 

Se ainda assim você ultrapassar o valor permitido na dieta, evite atitudes radicais. Melhor: "Perdoe-se e volte ao seu propósito, tentando fazer melhor da próxima vez", diz Regina. Senão emagrecer provoca culpa e aumenta o risco de você comer escondido, enganando a si mesmo.

 

Então, vale pegar leve para emagrecer e manter a memória alerta em situações rotineiras ou diante de alguns alimentos que parecem inocentes, mas não são.

 

 

Comer e ver TV

Evite! Quando você está distraído vendo a novela ou o futebol, deixa de perceber o que e quanto come. Esse efeito hipnótico que provoca excessos na ingestão de chocolate e salgadinho tem consequências na balança. A solução: "O melhor é sempre fazer as refeições sentado à mesa e com os eletrônicos (sim, o celular está nessa lista) desligados", orienta Roseli. Esse hábito também contribui para você se sentir satisfeito com um prato moderado.


Só mais um pouquinho


Você prestou atenção em tudo que colocou no prato, reduziu as porções e maneirou na fritura e no açúcar. Mas resolveu comer duas colheradas a mais da sobremesa ou arrematou aquele meio filé que sobrou na travessa. Pronto, mais uma vez, enganou a razão e entrou na gula. A solução: concentre-se no que você está comendo e, assim que terminar, saia de perto da mesa.


Jantar com o parceiro

O prazer de devorar jantares românticos pode levar ao excesso de peso. A solução: é possível fazer as refeições com o parceiro sem passar dos limites. Se ele(a) pede um hambúrger completo às 11 da noite, compartilhe a refeição saboreando uma salada colorida e coma devagar. Mastigar bem o alimento ajuda a saciar o apetite e a mantê-lo no timing do jantar.

 

 

De olho nas saladas

Elas costumam ser leves e, a princípio, aliadas número 1 da alimentação saudável. Mas, se errar na escolha do molho ou dos ingredientes, aquela inocente saladinha se transforma numa grande armadilha. Quando você cobre as folhas frescas com duas colheres de sopa de nozes (70 calorias), mais duas colheres de batata palha (181 calorias), croûtons (um punhado de 15 gramas, 75 calorias) e mais uma colher de molho de queijo (80 calorias), elas passam a ter quase o mesmo valor energético que uma porção de batatas fritas (200 gramas, 560 calorias). A solução: fuja de tudo o que é gorduroso, inclusive os queijos, e coma pequenas porções dos ingredientes mais leves.


Espere ficar pronto


Quem tem o hábito de ficar experimentando tudo o que está cozinhando corre o risco de consumir cerca de 300 calorias antes da refeição! A solução: coma uma fruta desidratada ou uma castanha antes de entrar na cozinha e prove o tempero dos pratos apenas quando estiver finalizando a receita.


Devagar com os doces light

"Mesmo um pudim feito com leite condensado light engorda", diz Roseli. A solução: mesmo no caso de um doce menos calórico, consuma-o com moderação. Tenha esse cuidado também com os produtos que estampam na embalagem o slogan "baixo teor de gordura". Uma pesquisa da Universidade de Cornell, nos Estados Unidos, mostrou que as pessoas tendem a consumir porções até 40% maiores quando existe essa promessa.

 

 

Líquido conta

As bebidas não são neutras! Uma latinha (330 ml) de chá gelado com açúcar tem cerca de 115 calorias e de suco de fruta 165. Por isso, devem ser computadas como se fossem sólidos. Vale lembrar que consumir muito líquido junto com a comida dilui os sucos gástricos e prejudica a absorção dos nutrientes. A solução: beba água, suco ou mesmo refrigerante (light ou zero, de preferência) meia hora antes ou depois da refeição. E vá devagar com as bebidas alcoólicas: um copo (250 ml) de caipirinha tem 260 calorias e o de cerveja 150. Os coquetéis que usam xaropes açucarados passam facilmente das 500 calorias.



No shopping, foco na diversão


Com tantos estímulos a compras e novidades, a excitação e a gula entram em alta. A solução: leve consigo frutas desidratadas, castanhas ou barrinha de cereais integrais. Tomar um frozen yogurt com frutas (evite calda e confeitos) é outro jeito de fugir das calorias de um doce tradicional. Se resolver almoçar ou jantar ali, prefira os bufês com opções de saladas e grelhados para compor uma refeição leve e equilibrada.

 

Comer fora pode?

Para cumprir o propósito de emagrecer, você não precisa recusar o convite para jantar em um restaurante. Nem passar o dia em jejum para se dar esse direito - vai chegar lá com muita fome e, fatalmente, cometer excessos. Um estudo americano revelou que, quando você faz uma refeição com duas pessoas, tende a comer 35% a mais do que está acostumado. Junto com sete pessoas, o estrago é maior: come 96% a mais do que o normal. A solução: programe todas as refeições e mantenha as escolhas saudáveis fora de casa. Prefira grelhados e tudo o que for preparado sem óleo ou manteiga. Além disso, tente sentar longe dos comilões.


Parceria:
     


Apoio:

Rede MdeMulher
Publicidade