Realização:
|
Dieta

Dieta de Dukan: entenda como funciona

Pela segunda vez no Brasil, o nutrólogo Pierre Dukan fala sobre a epidemia da obesidade e o sistema de emagrecimento que criou

Dieta de Dukan: entenda como funciona


por Rita Albuquerque | fotos Dieta Dukan

 

A busca pelo emagrecimento e qualidade de vida foi tema do Seminário conduzido pelo nutrólogo Pierre Dukan, na Câmara de Comércio França-Brasil, em São Paulo. Fãs do livro, curiosos e profissionais da saúde participaram do encontro que começou com um dado expressivo: "2013 marca uma virada na história do mundo, pois o número de pessoas com sobrepeso ultrapassou o daqueles que passam fome. Nos países desenvolvidos, um em cada dois habitantes está acima do peso", alerta o especialista em nutrição clínica. E completa, "o cenário de consumo em que vivemos e o uso de equipamentos que nos poupam, como é o caso dos elevadores, explicam de que forma, mas não por que engordamos".


O médico francês é autor do best-seller "Eu não consigo emagrecer" - em inglês, The Dukan Diet -, que atraiu mais de 30 milhões de leitores pela proposta ambiciosa da perda rápida e definitiva dos quilos extras. O sucesso da sua dieta é justificado por um portfólio de bons resultados conquistados por Kate Middleton, duquesa de Cambridge e esposa do príncipe Willian, pelo atual presidente da França, François Hollande, e por personalidades como a atriz e cantora Jennifer Lopez.


Não à toa, o excesso de peso tem caráter epidêmico e persiste de maneira alarmante ao redor do globo. No Brasil, os números mais recentes são 48,5% de indivíduos com sobrepeso e 15,8% de obesos. Essa constatação preocupante foi revelada pela VIGITEL (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico), estudo realizado anualmente pelo Ministério da Saúde desde 2006.


Na opinião de Dukan, isso se dá por duas razões: de um lado, a ingestão de alimentos como um mecanismo de recompensa pessoal e que induz à produção de serotonina, o hormônio do bem estar. De outro, o ciclo de produção, propaganda, consumo e crescimento, comum à sociedade moderna. "Pensando dessa forma, posso dizer que a causa pela qual ganhamos peso é, sobretudo, comportamental", conclui.


Ainda sobre isso, o nutrólogo afirma que, hoje, incitar à comilança ainda vale a pena às empresas e ao governo, que lucram com a compra de comida. No futuro, porém, os tratamentos para emagrecer darão mais despesas do que frutos aos cofres públicos. "O equilíbrio entre o que queremos e o que é a sociedade deve partir de nós mesmos", respondeu à diretora de redação da revista SAÚDE e convidada da mesa de honra, Lúcia Helena de Oliveira, sobre a criação de políticas públicas para a obesidade.

Como tudo começou
Dukan conta que os primeiros passos de sua carreira foram dados no campo da neurologia. Por acaso, um paciente obeso, e grande amigo, confiou ao doutor a função de lhe prescrever um cardápio para que conseguisse ser magro. "Tire tudo o que quiser, mas não a carne", disse ao médico. "A princípio, resisti. Depois, sem hesitar, pedi a ele que não ingerisse carboidratos, mas apenas proteínas magras pelos próximos cinco dias. Os resultados foram incríveis", narrou o palestrante.

Passados 35 anos de pesquisas e testes junto àqueles que consultou, o especialista garante que 100 alimentos à vontade e divididos em quatro fases - duas para enxugar medidas e as outras para estabilizar o ponteiro da balança -, não exigem desconforto e promovem a perda de massa gorda. "Para funcionar, o método deve ser simples. Não faça coisas heróicas para emagrecer, pois os que engordam não são heróis", recomenda o autor do livro, que continua estudando a evolução do seu sistema.

Entenda a proposta
Fase 1 (ataque): Na primeira etapa, com duração de três a sete dias - calculados pela quantidade de quilos excedentes -, 72 proteínas magras podem ser consumidas. Os peixes e as aves sem pele são aceitos, exceto a carne de animais com o bico achatado, como é o caso do ganso e do pato. Essas contêm muita gordura. Quanto aos ovos, a recomendação é que sejam ingeridos de três a quatro por semana. Os laticínios também são inofensivos neste período.

Fase 2 (cruzeiro/transição): Nos dias seguintes, além dos itens citados, 28 legumes também podem ser incluídos no menu. "Molhos especiais de salada feitos em casa ajudam a variar o sabor das preparações", indica Dukan. A média de emagrecimento é de um quilo por semana e o ciclo deve ser feito até que você alcance a meta desejada.

Fase 3 (consolidação): Para o criador do método, o terceiro período é o mais importante, uma vez que reeduca hábitos à mesa e não só os controla. Ele deve ser cumprido por 10 dias para cada quilo perdido. Exemplo: se uma pessoa eliminou 10 quilos, deverá segui-lo por 100 dias. Neste momento, pães, frutas, variedades ricas em amido e "refeições de comemoração" são permitidos.

Fase 4 (estabilização): "Aqui, você pode comer igual a maioria das pessoas, entretanto não mais do que elas", assegura o autor. Todos os alimentos podem ser reintroduzidos na alimentação, contanto que três regras sejam cumpridas: a primeira fase - mais restritiva -, deve ser feita em um dia da semana à sua escolha. Os elevadores devem ser trocados por escadas, para que o seu corpo assimile que você permanece agindo. A última, e imprescindível, é comer três colheres de farelo de aveia por dia. "Ele absorve até 20 vezes o volume de água, isto é, infla como uma bola de 300 gramas no estômago, o que ocupa espaço e facilita a saciedade. Por que não usá-lo nas receitas?", sugere o palestrante.

De olho nas críticas
Os ótimos resultados observados nas fotos da duquesa Kate Middleton e de outros famosos, no entanto, não têm sido suficientes para convencer a Organização Mundial da Saúde, a Agência Nacional Francesa de Segurança Sanitária e Alimentação, e a Associação Britânica Dietética, que elegeu a dieta de Dukan como uma das cinco piores. As queixas assinalam a baixa ingestão de fibras e de vitamina C, e o consumo excessivo de proteínas.

Rebatendo os apontamentos, o nutrólogo garante que, seguida ao pé da letra, a reeducação alimentar proposta é capaz de equilibrar o organismo. O farelo de aveia usado desde a primeira etapa já pode suprir a quantidade diária de fibras recomendada. "Ele serve ainda nos casos de prisão de ventre. Se isso não ajudar, beba mais água, peça óleo de parafina ao farmacêutico, masque chicletes sem açúcar - eles possuem componentes que fazem andar o fluxo intestinal, quando mastigados com frequência -, faça abdominais ao acordar e, claro, procure um médico", orienta o especialista.

A partir da segunda fase, o consumo de vitamina C é normal, uma vez que a inclusão de legumes torna o método mais nutritivo. Quanto à sobrecarga dos rins devido ao excesso de proteínas, o francês esclarece que doenças originadas dessa forma ocorrem apenas em pessoas com predisposição. E finaliza: "as críticas são feitas, porque há muita inveja. Também incomodo a indústria alimentícia".

Muito comparado ao protocolo de exigências do médico americano Robert Atkins (1930-2003), criador da dieta que leva o seu sobrenome, o sistema de Dukan difere quanto à ingestão de gordura e à prática de atividades físicas.

No caso do livro "Eu não consigo emagrecer", lipídios são proibidos por aumentarem os riscos de doenças do coração. Restrição essa que inexiste no método norte-americano. As divergências quanto aos exercícios também são claras: a mais recente recomenda 20 minutos de corrida ou caminhada diariamente. Já para a outra, quaisquer esportes aumentam o apetite e, por esse motivo, são vetados.

 

 

Confira as fotos do encontro:

  • #
    À esquerda, o nutrólogo Pierre Dukan, ao seu lado, a diretora de redação da revista SAÚDE, Lúcia Helena de Oliveira, e à direita, a tradutora Pauliane Gonçalves.

    À esquerda, o nutrólogo Pierre Dukan, ao seu lado, a diretora de redação da revista SAÚDE, Lúcia Helena de Oliveira, e à direita, a tradutora Pauliane Gonçalves.

  • #
    Lúcia Helena de Oliveira levantou pontos importantes, como a criação de políticas públicas no combate à obesidade.

    Lúcia Helena de Oliveira levantou pontos importantes, como a criação de políticas públicas no combate à obesidade.

  • #
    A plateia pôde tirar dúvidas sobre o método elaborado pelo francês.

    A plateia pôde tirar dúvidas sobre o método elaborado pelo francês.

  • #
    Muito aplaudido pelos espectadores, o palestrante encerrou o evento na Câmara de Comércio França-Brasil, em São Paulo.

    Muito aplaudido pelos espectadores, o palestrante encerrou o evento na Câmara de Comércio França-Brasil, em São Paulo.

  • #
    Cerca de 80 pessoas assistiram ao Seminário.

    Cerca de 80 pessoas assistiram ao Seminário.

  • #
    Fãs do livro, curiosos e profissionais da saúde formaram uma fila para conseguir fotos e um autógrafo do autor.

    Fãs do livro, curiosos e profissionais da saúde formaram uma fila para conseguir fotos e um autógrafo do autor.

  • #

    "Eu não consigo emagrecer" está entre os livros mais vendidos do mundo.



Parceria:
     


Apoio:

Rede MdeMulher
Publicidade