bem-estar

Antidepressivos: seu humor depende deles?

Tristeza e ansiedade cada vez mais são diagnosticadas — e medicadas — como doenças. SAÚDE mostra os riscos do uso inadequado desses tipos de pílulas para o corpo inteiro por Theo Ruprecht | design Fernanda Didini | fotos Dercílio
Cápsula polivalente
Por mexer com várias regiões do organismo, os antidepressivos são usados para tratar chateações que não a tristeza sem fim. "Já existe indicação para dores crônicas, transtornos alimentares como a anorexia, ejaculação precoce, entre outros", afirma o psiquiatra Alexandre Saadeh.

A solução de qualquer empecilho, hoje em dia, tem que ser rápida, bem rápida. No trabalho, na universidade e por aí vai, há uma demanda para que obstáculos sejam tirados do caminho o quanto antes, não importa o quê. O cenário é semelhante dentro das clínicas psiquiátricas. Atualmente, melancolia e outros sentimentos tão desagradáveis quanto naturais fazem com que os pacientes muitas vezes exijam dos médicos uma pílula milagrosa que traga alegria a jato. "Estamos observando um crescimento no consumo de antidepressivos que não se traduz em melhor assistência à população", lamenta Ricardo Moreno, coordenador do Programa de Transtornos Afetivos do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas paulistano. "Isso evidencia um potencial abuso dessas drogas", analisa o psiquiatra.


O drama é que esses medicamentos estão longe de serem inócuos. Segundo uma revisão da Universidade McMaster, no Canadá, os efeitos colaterais vão muito além da cabeça. "A maioria dos fármacos contra depressão aumenta a disponibilidade de serotonina, neurotransmissor que não age somente no cérebro, mas também no sistema digestivo, no funcionamento do órgão reprodutor masculino e até na coagulação sanguínea", explica Paul Andrews, neurocientista e autor da pesquisa. Ou seja, esses remédios acarretam desde diarreia e disfunção sexual até um eventual derrame. Aliás, esse último fator ajudaria a justificar a maior taxa de mortalidade em idosos que tomam antidepressivos encontrada no estudo.


O uso prolongado gera ainda mais consequências nocivas. "Há uma tendência ao ganho de peso, à perda de libido e, em certos casos, o indivíduo sofre com anestesia afetiva", exemplifica Moreno. O comprimido em si, no entanto, não deve ser visto como um inimigo. "O mal está em usá-lo como muleta. Que fique claro: ele não resolve problemas do cotidiano", enfatiza Alexandre Saadeh, psiquiatra da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.


Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou um relatório com indícios de que, além da tristeza, a ansiedade também vem sendo supermedicada. O documento revela que, entre os remédios de venda controlada, os benzodiazepínicos — que englobam os chamados ansiolíticos e hipnóticos — ocupam as três primeiras posições em número de vendas. "Esse tipo de droga age sobre o gaba, neurotransmissor que inibe o sistema nervoso central, provocando relaxamento", ensina a farmacologista Márcia Maria de Souza, da Universidade do Vale do Itajaí, em Santa Catarina. "Por isso, ele é bastante prescrito para ansiedade generalizada, pânico e insônia", acrescenta.


"O boletim em si não nos permite falar em abuso, mas os números realmente chamam a atenção, especialmente porque os benzodiazepínicos causam dependência", ressalta Márcia Gonçalves, coordenadora do Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados da Anvisa. Tanto que o ideal é não ultrapassar um mês de utilização. Entretanto, o prazo é desrespeitado por muita gente. Em um levantamento da Universidade Federal de São Paulo, a média de uso contínuo das 33 voluntárias consultadas pelos cientistas era de, acredite se quiser, sete anos. "Nesse grupo, a maioria conseguia o fármaco por vias lícitas", destaca Ana Regina Noto, coordenadora do trabalho. A título de curiosidade, em geral as entrevistadas afirmavam que obtinham as prescrições trocando de médico ou encontrando um, digamos, mais leniente.


"Para piorar, boa parte das mulheres avaliadas não possuía um bom conhecimento sobre os riscos da medicação", aponta Ana Regina. Eles não são poucos. "Dificuldade em armazenar novas memórias, letargia, sonolência e perda de coordenação motora são os mais comuns", avisa Márcia Maria de Souza. Isso sem contar que, se acontece uma interação com álcool, as reações tendem a ser intensificadas.


Os potenciais danos advindos de benzodiazepínicos ou antidepressivos dão ainda mais importância às psicoterapias — essas, sim, sem efeitos colaterais para o organismo. "Elas lidam diretamente com o que muitas vezes está desencadeando o mal-estar e, com as conversas, o especialista sabe se realmente será necessário prescrever remédios", atesta Saadeh. A busca por atividades que tragam prazer e tranquilidade também ajuda a deixar as drágeas menos atraentes. Assim, com um pouco de paciência, dá para o lado bom da vida ressurgir pelas suas próprias mãos.

Estragos dos pés à cabeça
Pênis

Alterações nos níveis de serotonina elevam o risco de impotência.

Intestino
Diarreia ou constipação são comuns em quem toma antidepressivos.

Veias e artérias
Em tese, o medicamento aumenta a probabilidade de um trombo se formar e, então, entupir vasos.

Cérebro
A pílula da felicidade pode resultar em sono ruim e apetite voraz.

O lado ruim do relaxamento artificial
Desatenção
Benzodiazepínicos prejudicam a concentração, motivo pelo qual menos fatos se fixam na memória.

Sonolência
A vontade de cerrar os olhos aumenta. Nem pense em dirigir sob os efeitos da droga.

Reflexos lentos
O desempenho em práticas esportivas cai. Já a probabilidade de quedas...

Glaucoma
Em casos raros, o fármaco pode fazer subir a pressão intraocular.


Um exame de sangue que acusa doenças psiquiátricas

Centros de pesquisa do porte da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, e do Instituto Max-Planck, na Alemanha, investigam se distúrbios mentais produziriam moléculas específicas que poderiam ser identificadas ao caírem na circulação por meio de um simples teste sanguíneo. "Uma análise desse tipo seria útil para perceber problemas em estágio inicial e dar mais segurança ao médico", defende Ricardo Moreno. "Isso é complicado, porque transtornos dessa espécie têm vários estágios. Um teste assim provavelmente não será exato, gerando muitos diagnósticos errados", contrapõe Alexandre Saadeh.

 


Produção: Ina Ramos



dieta dos pontos


sinta seu coração


receitas saudáveis





Rede MdeMulher
Publicidade