família

Ovário policístico: reconheça e trate

Hormônios em crise
Tratar os ovários policísticos ainda na adolescência pode prevenir futuras encrencas cardiovasculares.
por Angelo Massaine | design Thiago Lyra

As duas fábricas de óvulos estão com problemas na linha de montagem. E a notícia repercute no corpo inteiro. O distúrbio atende pelo nome de ovários policísticos (SOP), afeta entre 10% e 15% das mulheres e se manifesta na adolescência. "Ele não tem uma causa específica, mas está associado ao aumento desproporcional da produção de androgênio, o hormônio masculino", conta o especialista em reprodução humana Jorge Haddad Filho, coordenador do Programa de Reprodução Assistida da Universidade Federal de São Paulo.

"Questionar se essa alta é o motivo ou a conseqüência do problema soa como a pergunta sobre quem veio primeiro o ovo ou a galinha", completa. Pois é, ainda há muito o que descobrir a respeito da SOP. Mas a ciência desconfia que alterações genéticas estejam por trás dela. Uma delas seria responsável pela chamada resistência à insulina, hormônio que controla os níveis de açúcar no sangue. Esse distúrbio, por sua vez, levaria a síndrome metabólica e um pacote de encrencas, como obesidade, gordura abdominal, colesterol e triglicérides alterados, pressão alta e diabete, capazes de levar a doenças cardiovasculares.

"Queremos saber quais tratamentos ajudariam a evitar tanta complicação", diz a ginecologista Carolina Sales Vieira, uma das coordenadoras de um estudo do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo em Ribeirão Preto, que, durante um ano, vai avaliar 88 portadoras da SOP. Para o diagnóstico dessa síndrome os especialistas recorrem a um exame de ultra-som, além de levar em conta sintomas como irregularidade do ciclo menstrual e aparecimento de características masculinas.

"Só dá para afirmar que há SOP depois de dois anos da primeira menstruação, porque antes disso as conexões entre ovários e cérebro ainda não estão estabilizadas", explica Carolina. Nem todas as mulheres com ovários policísticos apresentam resistência à insulina, distúrbio que pode desencadear o diabete tipo 2 e levar ao entupimento de vasos sangüíneos.



dieta dos pontos


sinta seu coração


receitas saudáveis





Rede MdeMulher
Publicidade