saudeLOGO Created with Sketch.

Quem deve fazer teste genético

O geneticista Ciro Martinhago mostra quando os exames que vasculham o DNA ajudam casais que desejam engravidar - e quando simplesmente não valem a pena

Testes genéticos são análises feitas em laboratórios que mapeiam no DNA que você herdou dos pais instruções capazes de indicar maior risco de doenças ou ajudar a escolher um tratamento. Um recente ramo dessa ciência, a genética reprodutiva, ainda oferece exames que podem ser de grande valia para o casal que pretende engravidar.

Além de reduzir a probabilidade de nascimento de um filho com um distúrbio genético, temos casos de crianças portadoras de uma grave condição que foram salvas de um destino precocemente fatal graças ao nascimento de um irmão saudável.

Hoje existem diferentes tipos de testes que podem ser úteis para diagnosticar uma doença e determinar sua gravidade, orientar a eleição do melhor remédio, flagrar mutações transmitidas de pais para filhos, além de checar transtornos passíveis de tratamento ainda no feto ou no recém-nascido e selecionar embriões saudáveis para a fertilização in vitro.

É evidente que possuem critérios para recomendar ou não tais exames. Podem se candidatar a um teste genético, por exemplo, pessoas com histórico familiar de câncer ou outra desordem degenerativa. Como sabemos que o estilo de vida e o ambiente influenciam muito no aparecimento de certos males, fumantes inveterados ou pessoas que sofreram forte exposição a radiação ou agentes químicos devem procurar aconselhamento genético.

Também tiram proveito casais que já tiveram um filho com malformação ou atraso no desenvolvimento; se houve ocorrência prévia de bebês natimortos ou três ou mais abortos espontâneos sem causa definida; se os parceiros são primos em primeiro grau; ou quando existe algum risco de doença atrelado à etnia do casal.

Entre as mulheres que querem ter filhos, o teste é bem-vindo se apresentam alguma condição que repercuta no bebê (como diabete e epilepsia), usam medicações que podem afetar a gestação, se submeteram à quimioterapia antes de engravidar, tiveram infecções como catapora, rubéola ou por citomegalovírus durante a gravidez…

Qualquer que seja a finalidade do teste, tudo deve começar com uma consulta de aconselhamento genético. O especialista vai avaliar o caso, a história familiar, condições de saúde, entre outros fatores, para indicá-lo ou não. Também traduzirá os resultados e orientará os próximos passos, preventivos ou terapêuticos, bem como auxiliará o indivíduo a lidar com os desdobramentos emocionais e éticos que podem surgir com as respostas dos genes.

*Dr. Ciro Martinhago é médico geneticista, doutor em genética reprodutiva e diretor da Chromosome Medicina Genômica, em São Paulo

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s